Temer libera reserva da Amazônia para mineradores. Vai ter protesto global?

renca2

Aguarda-se a manifestação de atores globais e da “fadinha da floresta”, que se opunham de forma automática a todo e qualquer projeto na Amazônia, misturando a boa e correta intenção de proteger o meio ambiente e as populações indígenas com a necessidade de aproveitar as riquezas minerais e hídricas da região.

Michel Temer – como já se  havia antecipado aqui em abril – assinou decreto extinguindo a Reserva Nacional de Cobre e Associados, a Renca,  uma área gigantesca situada entre o Pará e o Amapá, quase a soma dos estados de Alagoas e Sergipe, onde, além do cobre, há de ouro em grande escala (supõe-se em escala semelhante a Carajás e também importantes reservas de titânio e de fosfato, além de ferro e tântalo, um insumo necessários à industria aeronáutica e aeroespacial.

Para isso, será preciso levantar as restrições sobre partes do Parque Nacional Montanhas do Tumucumaque ( o maior parque florestal do Brasil), as Florestas Estaduais do Paru e do Amapá, a Reserva Biológica de Maicuru, a Estação Ecológica do Jari, a Reserva Extrativista Rio Cajari, a Reserva de Desenvolvimento Sustentável do Rio Ia Estação Ecológica do Jari, a Reserva Extrativista Rio Cajari, a Reserva de Desenvolvimento Sustentável do Rio Iratapuru e as Terras Indígenas Waiãpi e Rio Paru d`Este.

É lógico que se poderia aproveitar parte das riquezas com baixo custo ambiental e humano – há muitas comunidades indígenas na região – mas será que alguém acredita que o carente Estado brasileiro, com recursos podados de todos os lados, terá condições de exigir projetos de baixo impacto e fiscalizá-los?

Nem pesquisas atualizadas sobre a região temos, embora os satélites de sensoriamento remoto dos nosaoa “irmãos do norte” já devam conhecer cada grão de terra da região.

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on whatsapp
WhatsApp
Share on email
Email