Vamos ‘a la playa’ não é, generais?

A Folha publica a confusão – que já se havia previsto aqui – com a decisão de Jair Bolsonaro em transferir para a orla de Copacabana o desfile militar do Rio, no Sete de Setembro, para misturá-lo com a sua manifestação golpista, que fez dali o seu point tradicional.

Jair Bolsonaro não discutiu sequer a ideia, mas avisou verbalmente ao Ministro da Defesa, general Paulo Sérgio Nogueira, na véspera de anunciar a “novidade” na convenção do PL e o pressuroso general repassou a ordem para o Comando Militar do Leste, que já tinha tudo pronto para realizar a parada, como há quase 80 anos, na Avenida Presidente Vargas.

É “Mensagem a Garcia”, não tem discussão e que se virem para resolver a completa inadequação do local escolhido, que vai acabar por “misturar” manifestantes e militares. Outros comandantes do Exército diriam que não seria conveniente fazê-lo mas, até agora, não apareceu um que argumente contra o desejo do presidente de dispor dos “soldadinhos” para suas brincadeiras perigosas.

Já desfilou uma coluna de tanques fumacentos da Marinha para entregar-lhe uma cartinha no ano passado e fazer o que imaginou ser uma intimidação sobre o Congresso. Agora, vai misturar as “tias do Zap” com soldados sob o sol de Copacabana.

Vejam que não são os bolsonaristas que vão ao Exército, mas o Exército que vai para a turba, que o espera com apelos para uma intervenção militar.

A ilustração acima é de “convocatórias” que já estão circulando nas redes, para a muvuca subversiva de Brasília.

Os generais logo vão ter de escolher se a disciplina é baseada na honra e no dever ou apenas na humilhação.

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on whatsapp
WhatsApp
Share on email
Email

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.