Vídeo prova que ‘paralelos’ orientavam Ministério da Saúde

Depois do vídeo publicado pelo jornal Metrópoles, do DF, tornou-se ocioso discutir a existência de um “gabinete paralelo” no comando da Saúde no Brasil.

Lá estão eles, dizendo para não dar importância “excessiva” à vacinas, dizendo que era “impossível” que elas estivessem em estado de testes avançados (e estavam, naquele setembro de 2020 e propondo a criação de um “shadow board” (uma direção paralela e obscura, “da sombra”) com integrantes quase anônimos para dirigir as ações do Ministério da Saúde, já sob Eduardo Pazuello, através do “assessor” presidencial Osmar Terra, o negacionista de primeira hora da pandemia.

Abaixo, o primeiro vídeo mostra a reunião; o segundo dá ideia do “conhecimento científico” do “assessor Osmar Terra Plana.

A questão, agora, é tornar objetivas todas as orientações que deram, extra-oficialmente, e que influíram no comportamento da autoridade sanitária brasileira, já que eram recebidas como diretrizes “secretas” ao ministro.

Que foram, assim, interferências indevidas e ineptas sobre as orientações do corpo técnico do Ministério e que tiveram influência objetiva e prolongada no desinteresse do Brasil em comprar vacinas.

É inútil, a esta altura, que – mesmo já em situação ridícula depois do depoimento da médica Luana Araújo – continuem a discutir a (in)eficácia da cloroquina ou que esta droga produza no Amapá menos letalidade, numa confusão absurda entre esta (quantos do total de infectados morrem) e mortalidade (quantos dos habitantes morrem desta doença). Sem falar, claro, na tortura que é submeter a população às asneiras ditas pelos senadores Marcos Rogério, Eduardo Girão e Luiz Carlos Heinze, o Albert Sabin de Rancho Queimado.

O foco deve ser nos métodos e nos personagens que articularam esta mórbida maluquice, para agir na ponta, enquanto Bolsonaro exibia as caixas de “remédio”.

O no quanto o Ministério da Saúde foi transformado em “agente operacional” desta turma de aloprados fanáticos.

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on whatsapp
WhatsApp
Share on email
Email

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *