Viramos a “República dos Marginais”

A “Festinha do Indulto” realizada ontem no Palácio do Planalto, entronizando o “leão de chácara” Daniel Silveira como novo herói da liberdade de expressão é um retrato da triste “República dos Marginais” que o Brasil vai se tornando.

Temos um governo de defensores de milicianos, de garimpeiros ilegais, de desmatadores, de falsos pastores estelionatários, de gente que anda armada como num filme de faroeste e, a proteger tudo isso, a sombra das Forças Armadas.

Poucas vezes um país terá visto um declínio civilizatório semelhante ao que está vivendo o Brasil, desde que as elites resolveram que, para destituir a sequência de governos de centro-esquerda, valia a pena lançar mão de todos os métodos e de todo o submundo para a sua “obra”.

Aí estamos agora e precisamos saber que qualquer tolerância com esta gente é, afinal, a morte da democracia e de uma convivência minimamente civilizada.

Quem, sob qualquer argumento, colaborar com a continuidade deste regime de estupidez, será tão estúpido quanto eles.

O país está sob o comando de rufiões e todos os gestos do poder imperial do Planalto são no sentido de que não aceitará outro resultado eleitoral que não seja a sua vitória, para que o Brasil mergulhe de vez nas trevas de sua ruína.

Com a ajuda de um Congresso que se submete a colocar um condenado por, entre outras ameaças, sugere o seu fechamento e um “novo AI-5” mostra que, ali, imperam um quarto e quinto “B“: além da bancada da bala, do boi e da Bíblia, controlam-no as bancadas do butim dos recursos públicos e , pasmem, agora também a “bancada do bíceps”.

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on whatsapp
WhatsApp
Share on email
Email

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.