122 mortes em 4 dias: matança no Ceará indica chantagem policial

O número de assassinatos no Ceará em quatro dias, desde que começou o motim policial, disparou.

Relata a Folha:

O mês todo de janeiro teve 261 homicídios, uma média de pouco mais de oito por dia. Em fevereiro de 2019, foram 164 homicídios, uma média de menos de seis por dia —em 2020, já são 286 no mesmo mês. Na segunda-feira (17) antes do início da paralisação houve três homicídios e, na terça (18), dia em que os policiais começaram a parar no início da noite, foram cinco. (…)

Na quarta-feira, foram foram 29; na quinta, 22; e, na sexta; 37 e ontem, 32. O gráfico do jornal O Povo, de Fortaleza, deixa bem claro.

É evidente que isso vira um instrumento de pressão – chantagem, melhor dizendo – para a concessão de vantagens e do perdão aos amotinados policiais.

Paguem, senão morrem 25 pessoas a mais por dia.

Sabe Deus quantas por balas dos mesmos policiais-milicianos.

Não são mortes nas principais vias públicas, que estão sendo policiadas com a Força Nacional e com o Exército.

Mas, apara usar as palavras do Presidente da República, é o bicho que está pegando.

Aqui no Rio a gente conhece há mais de décadas a técnica policial de “barbarizar” quando querem fazer pressão.

Nos anos 50, “quebrar caixotes” era a expressão que se usava quando delegacias queriam aumentar as propinas do jogo-do-bicho que eram sua fonte de renda.

Os caixotes, agora, são vidas humanas.

 

 

 

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on whatsapp
WhatsApp
Share on email
Email

15 respostas

  1. Ja se foi o tempo em q o cara era militar por 3 motivos… Um q era servir. O segundo era o status social parecido com do medico ou sacerdote (a essas alturas professor ja nao dava mais essa sensaçao) e o terceiro e mais importante era um belo pacote… Aposentadoria com 30 anos de serviço com salario integral promoçao ao ser reformado (ja foram 2 promoçoes) e uma rede de hospitais exclusivo q dependendo do estado nem precisa de plano de saude (alguns nao funcionam bem) alem de pensao. Agora querem o ja imediato nem pensam em mais nada.
    E olha q muitos passam os 30 anos sem participar de um unico conflito… Ja nos EU A sabemos q e bem diferente…

  2. Motim é o efeito do pleito salarial que não foi atendido pelo governo na forma como querem.
    Fazendo recorte desta realidade e repudiando a radicalização dos PMs do Ceará (chantagens e outros) o que na verdade eles pediram foi equiparar o salário bruto do soldado com o auxílio moradia do juiz + 500 contos (parâmetro meu), ou seja, passar de 3.700 para 4.500 reais ainda em 2020.
    Quando pagar aluguel se tornou mais valorizado que o risco de uma profissão!

    1. Juiz so devia receber auxilio moradia quando fosse transferido por necessidade do estado. Tem q rever isso. Por ex excelencia so chefe do executivo judiciario e legislativo. O resto q se contente com senhor incluindo generais que ao inves de serem tratados por excelencia seiam senhor general.

  3. Em 2014, no município de Feira de Santana, interior da Bahia, em apenas dois dias de greve da PM foram assassinadas mais de quarenta pessoas.
    É um método…

  4. O vice-presidente Mourão precisa exigir que retirem imediatamente sua imagem da convocação da passeata do “Foda-se!” do Heleno contra o Congresso Nacional. Não fica bem para um vice que poderá, democraticamente, assumir a presidência a qualquer momento e terá de respeitar o Congresso.

  5. É o PCC eliminando os membros da Familia do Norte. Ou vice-versa.

    Na Alemanha dos anos 30, as SA, formavam uma milícia de arruaceiros para proteger os líderes nazistas nos comícios. Cresceu a ter um milhão de soldados. Era um exército paralelo. Os generais não gostaram disso e Hitler precisava do apoio deles. Até que veio a “Noite dos Longos Punhais”. Hitler eliminou os cabeças da tropa, aproveitou a acertou contas com desafetos antigos. O que os generais brasileiros estão achando desse crescimento das milícias nas PMs? Se é que estão pensando, claro.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *