14 mi de vacinas Covax são só ‘alocação indicativa’

A imprensa brasileira, que já embarcou no ‘conto do vigário’ da compra de 33 milhões de doses da vacina da Astrazêneca por empresas privadas – a seguir, posto o texto do Eli Gaspari onde ele descreve toda a picaretagem que, neste blog, desde o primeiro dia na história – corre o risco de fazer o mesmo com a história das 14 milhões de doses que a OMS estaria por nos entregar dentro do programa Covax Facility,

A nota do Ministério da Saúde tem a credibilidade que tem o seu autor, muito pouca, apesar de Jair Bolsonaro achar que Eduardo Pazzuelo é “um tremendo gestor”. Tanto que nela se escreve que “o governo federal reitera sua grande satisfação com os resultados exitosos da estratégia de acesso do Brasil às vacinas contra a Covid-19 desenhada ao longo de 2020”, quando até as pedras da estrada sabem que as vacinas são poucas e tardias.

O que o governo brasileiro recebeu foi, para usar os termos do que a Organização Mundial de Saúde anunciou que faria, em nota publicada no dia 22 deste mês, uma “alocação indicativa” do número de doses – de 10 a 14 milhões, que caberiam ao Brasil se forem cumpridas as previsões de entrega de vacinas que a organização firmou com o Serum Institute da Índia, para entrega de vacinas Astrazêneca (100 milhões de doses) das quais ” a maioria está marcada para entrega no primeiro trimestre do ano”.

Nesta nota, a OMS diz que, até o final de janeiro enviaria aos países uma “alocação indicativa” de quantas vacinas pretende destinar a cada um dos 191 países participantes do consórcio se as receber:

O Covax Facility pretende fornecer a todas as 190 economias participantes uma alocação indicativa de doses até o final deste mês. Esta alocação indicativa fornecerá orientação provisória aos participantes – oferecendo um cenário de planejamento mínimo para permitir os preparativos para a alocação final do número de doses que cada participante receberá nas primeiras rodadas de distribuição da vacina.

Nota-se, portanto, que está longe de ser uma previsão firme, com entrega garantida, tanto que a própria OMS – que não economiza entrevistas coletivas – não tornou pública nenhuma tabela com quantidades de doses e datas em que as distribuirá.

E por uma razão simples: não recebeu o imunizante e ainda está insegura sobre quando os receberá, em meio a esta “guerra mundial pela vacina” onde Estados Unidos e Europa buscam devorar cada dose existente.

Será que ninguém pediu uma cópia da tal carta enviada pela OMS ao Brasil? Se o fizer, verá que “não é bem assim” como se noticia.

Ou, quem sabe, nossa preferência seja pelo “me engana que eu gosto”.

 

 

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on whatsapp
WhatsApp
Share on email
Email

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.