2ª dose: irresponsabilidade que vai virar bagunça

Está explicado porque o Ministério da Saúde, mesmo admitindo que havia quase 2 milhões de pessoas com a data de vacinação de reforço atrasadas, não fez uma campanha de comunicação para chamar esta gente a completar a imunização.

Não há vacinas, e o próprio ministro Marcelo Queiroga o admitiu hoje.

Não era difícil a quem tivesse um lápis e um papel de pão para fazer contas de somar que isso iria acontecer, quando se liberaram as reservas técnicas da Coronavac para serem aplicadas como primeira dose.

Foi o que fez este blog, há 15 dias, para escrever que estávamos perdendo a batalha da vacina também na segunda dose.

Praticamente todas as segundas doses a aplicar são de Coronavac e praticamente todas as poucas vacinas que se tem a entregar são Astrazêneca.

E qual foi a razão disso? Não deixe de lado o lápis e o papel e anote: no dia 21 de março, enquanto Marcelo Queiroga e Eduardo Pazuello andavam em par, o Ministério da Saúde autorizou a utilização de todas as vacinas contra a covid-19, entregues para Estados e municípios, para aplicação da primeira dose, invertendo a orientação de manter reservadas as doses necessárias para completar a imunização.

Foi a maneira de, artificialmente, acelerarem a vacinação, aplicando o dobro do número de doses, durante um mês.

Só que agora não tem com que aplicarem a segunda dose, nem quando o Butantan completar a entrega dos menos de 5 milhões de doses do seu primeiro contrato, o de 46 milhões, o que deve acontecer a partir da próxima segunda-feira.

Mais, só se os chineses implantarem imediatamente o segundo contrato, de 54 milhões de doses o que, se acontecer, tem forte chance de atrasar-se, pelo recrudescimento da epidemia na Índia e pelo fato de que a China, também no último mês, acelerou fortemente seu processo interno de vacinação, com a aplicação, em média, de 5 milhões de doses por dia, parte delas de Coronavac.

E daqui a três meses, poderemos ter o mesmo problema com a Astrazêneca, pois a Fiocruz admite que terá um hiato em sua produção se – e quando – passar a usar o insumo nacional, depois de esgotadas as ainda incertas encomendas do importado.

Mesmo as “amostras nada grátis” que a Pfizer promete entregar em breve (1 milhão de doses) não suprirão, por razões óbvias, esta lacuna.

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on whatsapp
WhatsApp
Share on email
Email

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *