300 mil mortes e Pazuello fala em ‘missão cumprida’

Quando se perguntou ao ex-ministro Eduardo Pazuello qual a razão de sua saída do Ministério da Saúde, a resposta foi tão lacônia quando cínica:

-Missão cumprida.

É possível que alguém possa considerar assim o salto de 30 mil para 300 mil mortes uma “missão cumprida”. quando a luta entre a vida e a morte está sob seu comando?

Estranhamente, porém, nenhum senador reagiu a este absurdo. Era o caso e levantar, bater na mesa, exigir respeito a 270 mil pessoas que deixaram este mundo pela pandemia, o mínimo que se poderia fazer diante de tanta desfaçatez.

Esta é a palavra. Pazuello tratou de tudo como se fossem assuntos burocráticos, que requeressem trocas de memorandos, pareceres jurídicos (aliás, em falsas afirmações), detalhes, como se os brasileiros não estivessem morrendo como moscas.

Mas quem para perguntar em que galáxia ele achava que estava Jair Bolsonaro, que ergue cloroquina como troféu diante das emas do Alvorada, “nunca” lhe deu orientações sobre o uso da droga, aliás, nunca deu orientação alguma sobre nada que ambos faziam apenas um teatro para “memes” quando o presidente desautorizou a assinatura do aval federal para a Coronavac, que mandou anular sua assinatura e quando, com Pazuello, gravou e publicou a cena do “um manda e o outro obedece”, segundo ele, “para a internet.

A rigor, só quando pisou nos calos dos dois senadores amazonenses, Omar Aziz e Eduardo Braga, descrevendo um mundo irreal, onde o sufocamento dos manauaras tenha sido quase uma fatalidade, já que todas as providências foram tomadas em tempo recorda: dia 10, à noite, tomou conhecimento dos problemas, dia 11 tomou as providências e dia 12 despejou cilindro de oxigênio em Manaus.

Idem na questão da Pfizer (a “resposta” que não houve foram “reuniões”), a da Covax (era “cara e insegura”) e por onde andou sua arrogância gelada e desumana.

Espera-se agora que, na segunda parte da inquirição de Pazuello, os senadores não se acoelhem, como até agora, diante de seu papel asqueroso.

44o mil brasileiros mortos merecem que haja, ao menos, brio diante desta monstruosidade.

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on whatsapp
WhatsApp
Share on email
Email

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *