A reportagem de Rafael Moro Martins, Rafael Neves, João Felipe Linhares, Glenn Greenwald, do The InterceptBrasil, sobre as relações de Deltan Dallagnol e dos procuradores da Força Tarefa da Lava Jato e aquele site de extrema direita que aqui só se nomina como O Bolsonarista são, mesmo com tudo o que se sabe de ambos, de embrulhar o estômago de quem ainda leva a sério o jornalismo.

Numa palavra, o que se descreve – e que se comprova com os diálogos vazados de aplicativos de mensagens – é a mais completa promiscuidade entre o que deveriam ser funcionários públicos zelosos da impessoalidade de suas ações e profissionais de imprensa que jamais se poderiam prestar a emissários e lobistas de interesses pessoais e políticos.

Não deixe, mesmo que com asco, de ler o texto detalhado e documentado, descrevendo como o grupo de espertalhões emigrados da Veja para os negociantes de mercado financeiro dirigia investigações, recebia documentos ilegalmente repassados e articulava ações políticas com os procuradores de Curitiba.

Embora os métodos de Dallagnol & Cia sejam conhecidos – não é possível que o Ministério Público continue fazendo “cara de paisagem” diante disso.

Já não é apenas a cumplicidade da grande mídia, é a ação direta, via sites inomináveis, para transformar o MP em gazua de negócios e politicagens, apoiando ou demolindo pessoas.

Ou será que investigar se tornou uma atividade mais porca do que as que são investigadas?

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on whatsapp
WhatsApp
Share on email
Email