Fator Lula decidirá disputas estaduais

Muito mais importante que o desempenho dos candidatos a governador medido pelo Datafolha nos três mais populosos estado do país – SP, MG e RJ – é o traço comum das candidaturas alinhadas a Lula e às que (embora o escondam) se alinham a Jair Bolsonaro.

Os percentuais obtidos por Fernando Haddad (líder em SP, com 34%); Freixo no Rio (em empate com Cláudio Castro, com 22%) e Alexandre Kalil, com 21% contra o bem avaliado governador de Minas, Romeu Zema, com 48%) contrastam fortemente com os índices obtidos por Lula (43%, 41% e 48%, respectivamente).

Salvo por Fernando Haddad, cuja identidade com Lula se beneficia da campanha presidencial de 2018, os outros dois candidatos têm dificuldades em alcançar, até agora, uma identidade eleitoral com o ex-presidente. O alto grau de indecisão revelado pela pesquisa seria mais bem definido como desinformação.

Mas não é só isso: prejudicam-se, e por culpa própria, as picuinhaS partidárias que atrasam o oferecimento à população da composição mais forte de nomes que poderiam alcançar. Só agora o PSB, depois de ter obtido quase todas as concessões do PT, ameaça – timidamente – aceitar que não terá chance sem uma unidade real com Lula.

Não é o discurso para saber quem dará palanque a Lula nos Estados, mas o inverso: a quem Lula dará o seu significado nas disputas estaduais.

Já do lado governista, a identidade com Jair Bolsonaro é algo que os candidatos – até mesmo Tarcísio de Freitas, um ilustre desconhecido em São Paulo – tentam evitar tanto quanto possível, pelos altos índices de rejeição do presidente. Consideram que já têm como certos os votos bolsonaristas e, portanto, não haveria porque espantar a maioria contrária ao “Mito”.

Também neste caso, a campanha eleitoral é o “problema”.

Aqui no Rio – onde o PT tem um problema de origem por jamais ter tido uma implantação verdadeiramente forte no “povão” – com um ônus extra para o bolsonarismo, que a campanha de Freixo pouco explora: a lembrança de que Castro era cúmplice de Wilson Witzel, como seu vice-governador.

A polarização, da qual a mídia e as elites políticas reclamam, não vai ficar contida apenas na campanha presidencial.

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on whatsapp
WhatsApp
Share on email
Email

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.