A 2ª onda, na economia

Como na epidemia do novo coronavírus, a continuidade dos patamares elevadíssimos de contágio e de mortes não permite que se fale em “segunda onda”, pelo fato de a primeira estar aí firme e forte, talvez seja melhor deslocar um pouco o olhar para o “otimismo flexibilizante” no qual os números da economia estão fazendo muita gente ver uma “retomada da economia.

Sim, de novo, pode crer.

E o que está levando os índices a serem “positivos dentro do negativo”. É algo que se sustenta, que tende a continuar e ampliar-se?

A resposta, infelizmente, é não.

Em primeiro lugar, disparado, o crescimento do comércio , já alcançando os níveis de fevereiro vem, de um lado, da alavancagem das vendas dos setor de supermercados e assemelhados, vestuário, calçados, artigos de uso pessoal e doméstico e o grupo móveis/eletrodomésticos.

No caso dos alimentos e vestuário, é fortíssimo o impacto do auxílio emergencial que, como mostra hoje o Datafolha, é maciçamente gasto em comida (53%) e despesas domésticas (16%). É, portanto, uma injeção, mensal, de quase R$ 50 bilhões e isso, é claro, tem hora para acabar.

Em alguns outros, há o impacto – que já se fizera sentir mais forte em maio, do represamento de compras em março e abril, em razão das restrições ao comércio.

No setor de serviços, o panorama segue desolador: os serviços de bares, restaurante e hotéis continua caindo cerca de 60% em relação ao que faturava há um ano. O transporte aéreo, no semestre, tombou 35% e, no mês a mês contra 2019, a perda continua nos 60%.

É possível que o mês de julho ainda registre alguma melhora ante os dias mais difíceis da pandemia, mas é também provável que agosto e setembro comecem a cessar os efeitos das suspensões remuneradas de contrato de trabalho e começa – salvo mudanças, o pagamento dos primeiros lotes da última parcela do auxílio emergencial.

Se na pandemia não se sabe – e todos torcemos contra – uma segunda onda, na economia já é possível sentir que ela se aproxima, e dela não há máscara que nos proteja.

 

 

 

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on whatsapp
WhatsApp
Share on email
Email

Uma resposta

  1. Houve também as suspensões de seis meses dos financiamentos da Caixa. Tudo isto VAI acabar e daqui pro fim do ano a realidade vai atropelar.
    Quero ver também o Bozo sustentar a aprovação do “gado do Auxílio”, quando ele tiver que acabar.
    E pra completar, quero ver como ficarão as contas do país com tantos gastos e a economia murchando.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.