A caça aos “traidores do Mito”

Por maiores que sejam os esforços oficiais para descaracterizar os atos de hoje como a “Noite das  Facas Longas” do bolsonarismo, em todos os jornais e nas redes sociais, só o que se vê é algo bem semelhante ao que aconteceu, em maio de 1934, quando os  a facção de adeptos incondicionais de Adolf Hitler do Partido Nazista realizou uma série de execuções extrajudiciais logo em seguida a  seu líder tornar-se chanceler da Alemanha.

Ainda que aqui, por enquanto, os assassinatos sejam apenas os de reputação, eles estão ocorrendo por toda a parte, sem sinal de defesa de suas vítimas.

Personagens notórios da onda de direita são apontados – sem meias palavras – de “traidores” e “comunistas”. (“comunista”, nos dias de hoje, é a qualificação de qualquer coisa que não seja a sua própria opinião)

Sejam bem-vindos à Inquisição. Com tribunais e tudo, aliás.

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on whatsapp
WhatsApp
Share on email
Email

7 respostas

  1. Comunista virou um xingamento como outro qualquer. Muita gente sequer sabe o que é esse tal “capiroto”.

  2. O tribunal inquisidor tupiniquim chama-se lava jato, com o patrocínio do stf. Não merecem mais do que minúsculas.

  3. Não sei se é boa ideia espalhar o conceito de que assassinato de reputação tem alguma semelhança com assassinato real.

  4. A Record, do Edir Macedo, assume definitivamente o papel de “goebbels do bolsonazismo”.
    O esforço para inflar as imagens do dia é descarado. Puro jornaZismo de guerra.
    Nunca se viu tanta gente empenhada em enganar um povo como nesses dias de campanha pelo fim da Previdência publica. É um espetáculo deprimente essa gente cega a promover a imolação de um país.
    O Brasil hoje é digno de pena.

  5. Comunista é na atualidade um fantasma que serve para os militares justificarem sua inoperância frente ao desmanche do patrimonial do Brasil e assim não se indisporem com a CIA e Havard. Nem na Russia existe mais. Eles precisam desesperadamente ou ficam com caras de idiotas.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *