A Embraer vai virar Vemag?

A gente era guri e entre os carros mais populares do Brasil estavam os DKV-Vemag (na verdade, DKW, de Dampf Kraft Wagen, em alemão): um sedã, uma camioneta, o jipe “Candango” e, já no final, um coupé, o Fissore.

Vemag, acredite, significava “Veículos e Máquinas Agrícolas”, a empresa brasileira que detinha os direitos de fabricação dos alemães da Auto Union – hoje a Audi, subsidiária da Volkswagen).

Quando lançados, tinham metade das peças produzidas aqui e, anos depois, todas elas.

Mas a Volks comprou a Auto Union e passou a “apertar” a Vemag com ameaças de cassar-lhe a licença de uso no Brasil. Tanto fez que comprou a Vemag, anunciando um grande futuro para ela, como você vê no anúncio que reproduzo no alto do post.

Meses depois. a Vemag estava fechada e  os DKV saíram de linha, apesar da promessa da VW de que a compra da Vemag, mão era para uma empresa ficar mais fraca, mas as duas mais fortes”.

Repete-se, 50 anos depois, a história com a compra (o nome é este, não se engane com o papo de “joint-venture”) da Embraer pela Boeing.

Não tão rápido, porque a carteira de encomendas da Embraer em jatos de médio porte é imensa.

Nenhuma razão “de mercado” portanto, para vender uma empresa que é, disparado, a maior do mundo neste segmento.

Nem se está vendendo galpões e maquinários para montagem de aeronaves, essencialmente. Vende-se, isto sim, a tecnologia e o conhecimento aeronáuticos que o país desenvolveu em meio século.

A história de que ficaremos com a aviação executiva e a militar é um dourado falso sobre a pílula, porque é a aviação comercial quem dá suporte a estes setores, seja em faturamento, seja em desenvolvimento tecnológico.

E a nova empresa, assumidamente, responderá diretamente à matriz norte-americana.

Os galpões da Vemag, de onde sairiam, segundo a promessa, mais DKV, passaram a servir para a montagem da Kombi VW.

Se não tivermos um governo que impeça esta barbaridade, as plantas da Embraer, em poucos anos, estarão fazendo o mesmo.

 

 

 

 

 

 

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on whatsapp
WhatsApp
Share on email
Email

19 respostas

  1. 60 anos depois a mesma ladainha do “crescimento pra trás, até sumir”. Mais que aeronaves, estamos entregando aos gringos décadas de conhecimento e tecnologia nacional acumulados. O vocábulo “Soberania” em poucos anos deixará de fazer parte do “Aurélio”. A tarefa emergencial dos golpistas é apequenar o Brasil enquanto nação e receber a “comissão pelos relevantes serviços prestados ao capital internacional” num paraíso fiscal no exterior. O Brasil e seu futuro pouco importam pra quadrilha que tomou de assalto o Palácio do Planalto. Manter Lula encarcerado e impedido de participar das eleições é a perpetuação desse monumental Lesa Pátria.

  2. 60 anos depois a mesma ladainha do “crescimento pra trás, até sumir”. Mais que aeronaves, estamos entregando aos gringos décadas de conhecimento e tecnologia nacional acumulados. O vocábulo “Soberania” em poucos anos deixará de fazer parte do “Aurélio”. A tarefa emergencial dos golpistas é apequenar o Brasil enquanto nação e receber a “comissão pelos relevantes serviços prestados ao capital internacional” num paraíso fiscal no exterior. O Brasil e seu futuro pouco importam pra quadrilha que tomou de assalto o Palácio do Planalto. Manter Lula encarcerado e impedido de participar das eleições é a perpetuação desse monumental Lesa Pátria.

  3. CANALHAS GOLPISTAS e ENTREGUISTAS.
    Parafraseando Dante Alighieri: Os lugares mais quentes do Inferno estão reservados para estes FILHOS DA PUTA !

  4. O Brasileiro está até hoje esperando uma resposta convincente do ministro Fachin sobre a entrevista dele na globostanews sobre sua peseuda ameaça de morte, que a TV ficou reprisando duas vezes por dia , antes da prisão do gigante Lula ! Acho que tudo isso cheira uma grande farsa mais uma da globosta! Esse Fachin é um vendilhao

  5. Gostaria apenas de registrar um ponto que não pode ser desconsiderado na discussão. Objetivo comercial existe, contudo este objetivo é apenas estratégico para a Boeing. A Airbus fechou um acordo com a Bombardier canadense (nao sei em quais termos, mas certamente é a Airbus que deve mandar no acordo) e acabou de lançar a linha de aeronaves Airbus 220 que são concorrentes diretas dos modelos da Embraer. Isso mostra que este mercado é promissor é que diferente do que ocorre no Brasil onde a aviação regional diminui (lembram que a Dilma tinha um plano para este setor?), parece que no mundo ela vai de vento em popa. A Boeing para fazer frente a sua principal concorrente faz a aquisição da empresa que tem condições de competição neste mercado. O Brasil só perde. Acho até que poderia haver um acordo aproveitando as linhas de venda da Boeing, mas imaginar que 80% pra um e 20% pro outro não seja venda, é ser muito ingênuo. Acho que logo que a tecnologia seja absorvida as fábricas da Embraer em solo brasileiro passem a produzir no máximo parafusos para as aeronaves regionais da Boeing. Logo, ao invés de vermos os E 190 e E 195, assistiremos aos B 717 cruzando os céus.

  6. A Embraer já é a maior fabricante do mundo de aviões de passageiros para viagens regionais, não precisa da Boeing para nada.

  7. A se confirmar a abdução, a Embraer terá o mesmíssimo destino da McDonnell Douglas: comprada pela Boeing em 1996, foram asfixiando seu parque fabril para não concorrerem com a linha Boeing. Fecharam. Cá entre nós, alguém ainda tem dúvidas sobre a idoneidade desses párias do governo?

  8. É só um pouco mais do mesmo.
    Quem algum dia achou que quem se empenha num golpe o faz só por “prazer” e não por motivos muito mais concretos deve estar convencido agora do tamanho do buraco. Buraco que só tende a crescer se continuarmos nesse passo e engolirá algumas gerações de brasileiros na miséria.
    Na última vez, até que foi curto, não é? “Somente” duas décadas e pouco… O nível de destruição atual é pra muito mais que isso de reconstrução.
    Por fim, so uma correção: o certo é DKW, com dáblio. Sempre falamos “V” como em alemão, como falávamos Volks soando “fôlquis”. Apesar da Vemag, sempre mantivemos o nome original.

  9. O desastre realizado pelos canalhas golpistas está despertando um ódio em nós progressistas, que levará a estes fdps terem uma morte pavorosa.
    Depois de sofrerem horrores em linchamentos em praça pública, seus corpos deverão ser despedaçados para nem mais serem reconhecidos.
    Só poderão enterrar fragmentos, para nunca mais serem lembrados.
    E tudo isso será cobrado de suas familias.

  10. Nós é que deixamos os outros nos arrombarem. A culpa é nossa. Cadê as panelas, as greves e os carros virados pegando fogo?

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *