A esperteza da capitalização previdenciária

Como os nossos “analistas” econômicos não podem falar as coisas de maneira simples, pouca gente está sendo informada do golpe de esperteza que seria o regime de capitalização a ser implantado – pela turma do “Posto Ipiranga” de Jair Bolsonaro para a economia, Paulo Guedes.

Em poucas linhas – porque há páginas e páginas a preencher com os casos em que é, simplesmente, impossível aplicá-la – a história é a seguinte: sob o controle de bancos e outros agentes financeiros, seria criada uma “nova Previdência” para todas as pessoas que, a partir de agora, entrassem no mercado de trabalho. Como são “entrantes”, só há receita, não há despesa, porque os benefícios só começariam a ser pagos, em escala considerável, daqui a 30 ou 40 anos.

É, na essência, o velho golpe da ‘pirâmide’: muitos investem, poucos recebem, se é que vão receber, porque em 30 anos muitos terão “sumido” e deixarão a conta para o governo, possivelmente à conta de um “fundo garantidor” estatal, como é tradição brasileira. Do aventureiro italiano Carlo Ponzi ao Tenente Felipe Albuquerque – de QUEM  onde veio o nome “filipeta”, papel sem valor, com que ele vendia a prazo mais barato que à vista – a história do “pague hoje e leve depois” sempre foi boa fonte de renda para os “espertos”.

Diferentemente deles, porém, nem a promessa de grandes rendimentos há: quem tem plano de previdência (quanto mais recentes, piores) sabe que as taxas são altas e a remuneração é baixa, exceto naqueles de “alta performance”, destinados a quem pode fazer contribuições pesadas.

Mas, no geral,  durante anos, será dinheiro barato, captado de forma compulsória, em geral indisponível para quem o entrega e sem qualquer garantia de prover uma renda mínima a quem não acumule saldo suficiente para isso – especialmente os que tiverem trabalho intermitente, que se aposentem por idade com baixo grau de contribuição.

Esquemas de capitalização previdenciária  podem ser válidos para quem ganha muito bem e pode dispor de recursos para investir numa renda de longo prazo. Mesmo assim, só compensa porque o Estado os subsidia com dilação fiscal: isenta hoje do Imposto de Renda para tributar (em geral a alíquotas menores) quando do resgate dos valores.

Vale lembrar que, hoje, no Brasil, apenas um terço dos benefícios previdenciários se destina a quem aposentou-se por tempo de contribuição.

Como o regime só se aplicará a quem estiver começando a trabalhar – ou a contribuir, no caso de quem nunca saiu da informalidade – todo o déficit previdenciário atual (e o futuro, de quem já está no mercado) ficará por conta do governo, tendo efeito zero no saneamento do rombo previdenciário.

Até porque não vai tocar no déficit provocado pelos altos vencimentos do serviço públicos, cobertos pela isonomia de remuneração que o empregado vindo da iniciativa privada não tem, como também não no dos militares que, per capita, tem um déficit 20 vezes maior que o atribuído ao pessoal do Regime Geral da Previdência.

Até Bolsonaro está resistindo – ou ao menos parecendo resistir – ao esquema proposto por Paulo Guedes, porque sabe que este projeto não resolve em nada os problemas da previdência.

Mas entrega ao sistema financeiro o “filé” das contribuições previdenciárias: o recolhimento de hoje que só vai virar benefício daqui a algumas décadas.

Se virar, claro, porque do contrário chama-se o bom e velho Estado para resolver.

 

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on whatsapp
WhatsApp
Share on email
Email

31 respostas

  1. Esse canalha, chamada Paulo Guede, quer implantar aqui o que fez no Chile há 4 décadas. Se a mídia brasileira (o PIG/PPV) não fosse tão canalha, bastaria fazer uma série de reportagens sobre o que aconteceu no país sul-americano que não tem fronteira com o Brasil. Esse picareta mudaria de idéia ou seria defenestrado em menos de uma semana. Mas não contem com essa mídia golpista, pois ela também está interessada em se apropriar os recursos compulsoriamente tungados do trabalhador.

        1. Obrigada pela correção. De qualquer modo, a Globo pode não ter interesse direto na causa, mas pode tentar “ajudar os amigos”.

    1. Meu amigo,é só você dar uma olhada no Instituto Millenium,e verá que além do Paulo Guedes,um dos membros é o Sebastian Pinera,o homem que fez a reforma da previdência do Chile… Verá que tudo se encaixe…

  2. Devemos deixar o Brazil de lado. Parte do povo não merece a preocupação de ninguém. Devemos nos tornar seletivos, nos preocupar com os nossos familiares não-fascistas, com nossos filhos e com aqueles que fazem parte do nosso. O resto que se exploda. É preciso encontrar uma forma de criar uma nação à parte dentro do país. Eu lá vou me preocupar com o idiota que votou no projeto destinado a ferrá-lo? O sujeito que votou no coiso já é bem grandinho para a gente ficar com dó na base do “eles não sabem o que fazem”.

    1. Tô contigo e não abro. Que tal um abaixo-assinado para separarmos o Nordeste do resto. Não moro lá mas iria rapidinho.

    1. O que significará reajustes anuais cada vez menores das atuais aposentadorias, até que sejam zerados e os idosos não consigam mais sequer a reposição mínima da inflação. Daí para o calote pura e simples, pagamentos atrasados, fim do décimo-terceiro aos aposentados, etc, será só um pulo. Ou seja, quem contribuiu a vida inteira e hoje ganha uma merreca, nem isso tem garantido para o futuro. Os novos “entrantes” no sistema, então, só terão duas saídas: ou fazem altas contribuições para o sistema previdenciário dos bancos ou é melhor morrerem jovens do que viver como mendigos idosos no futuro.

  3. Brito, só para esclarecimento, os servidores públicos aposentados têm paridade de salário com os ativos porque contribuíram para isso: a contribuição previdenciária do servidor é calculada sobre os vencimentos integrais, não sobre o teto do INSS.
    É importante também lembrar que a alíquota de contribuição dos militares é menor que a dos civis, mas os vencimentos deles também são integrais.

    1. Excelentes seus esclarecimentos: Ninguém faz favor ao Servidor Público, ele paga sobre os vencimentos totais, mas até isso já acabou, houve uma Reforma da Previdência e agora quem quer vencimentos integrais tem que ir para um Regime de Complementação!!!

      1. Ninguém está dizendo que o servidor público é um aproveitador. O que é necessário é uma regime só, para todos e alternativas para quem, no setor público ou privado, quer ter proventos maiores. O trabalhador do serviço público deve ser, nem mais nem menos, igual ao trabalhador do setor privado. Na aposentadoria e na contribuição obrigatória.

        1. Está certo: regime único para o público e o privado… todos contribuindo sobre os próprios salários e recebendo o salário integral após aposentadoria. Previdência complementar é picaretagem de banco tentando tirar uma casquinha do Erário. Sempre foi e sempre será.

    2. Viviane, obrigada por esclarecer ao Brito. Só esqueceu de dizer que o servidor público continua a pagar a contribuição mesmo depois de aposentar até a morte e um pouco mais pois se tiver pensionista esta também paga a contribuição. Quanto aos militares, ao que eu sei, ao menos os federais, não contribuem com nada sob a alegação de que nunca se aposentam e é um serviço peculiar, blablabla… a contribuição de 7% é para garantir a pensão. Quem souber, por favor, esclareça melhor a questão.

  4. Como os bolsomínions representam a parcela mais ignorante da nação, facilmente manipulada pelos endinheirados, vão demorar a descobrir que com Bostonaro no governo a aposentadoria deles vira uma miragem.

    #LulaLivre

    1. Sim, Um filão de fundos de capitalização que enriqueceu muitos milicos de alta patente da “incorruptível” ditadura militar.

  5. O idiota que entrar nessa arapuca, merece ser roubado, e bem roubado.
    A maioria se não for idiota, jamais entrará nisso, vai assumir que não existe mais previdência mesmo, e guardar em poupança ou embaixo do colchão,as migalhas que por ventura sobrarem ao fim dos penosos e arrastados meses bolsonarianos.
    Ninguém vai querer mais emprego formal,para ficar 8 horas a disposição do patrãozinho,e trabalhar só 3, recebendo proporcional a isso. Nem jumento com depressão entra nessa.
    O Brasil vai voltar ao ESCAMBO, onde um vizinho vende alguma coisa para o outro, e compra dele alguma bugiganga ou comidinha.
    Ou seja, como todos nós prevíamos, no governo da “ARMADA BRINCALEONA”, os coxinhas,paneleiros,patos,seleceiros e pobres de direita, destruíram completamente o futuro dos filhos,netos e bisnetos.
    Estou com pena deles?
    -SIM,… porque um dia todos eles irão presos por estrangularem o vovô.

    1. Só li verdades. É por isso que estão fazendo um esforço hercúleo para convencer os servidores federais a aderir à tal previdência complementar (os que entraram antes de 2013) e não conseguem: ninguém é trouxa, ora!
      Para quem ainda for entrar no mercado de trabalho, de fato, compensa mais fazer uma poupança: pelo menos você pode sacar quando quiser, por exemplo…

      1. O regime é COMPULSÓRIO, ou seja, o trabalhador é OBRIGADO a entregar seu dinheirinho aos bancos. Não tem opção. Para quem ganha um salário de fome, como a maioria dos brasileiros, seria vender o almoço para comprar o jantar.
        A “grande novidade” é que o patrão não pagará NADA e justamente por isso, no Chile, os valores dos proventos ficam por volta de quarenta a cinquenta por cento dos salários da ativa.

        1. E, justamente para os aposentados chilenos não passarem fome, o governo de lá tem de complementar as pensões até um salário mínimo. Ou seja, dinheiro público para bancar o que o negócio privado não dá conta.

        2. É bem menos do que isso. A última informação que li dava conta de que o rendimento médio do aposentado chileno é de cerca de 34% do que ele recebia como salário, quando na ativa; para piorar, lá as AFPs tungam a maior pare do que é descontado do salário do trabalhador e não há contribuição dos empregadores. É esse sistema perverso que o canalha Paulo Guedes implantou no país andino, sob cruel ditadura pinochetista, que o mesmo crápula quer implantar no Brasil, agora sob a ditadura bolsnonarista.

  6. Prezado Fernando Brito,
    lembrei-me, com sorriso compassivo, de meu pai que fez uma apólice no Montepio da Familia Militar. Como você bem sabe, este veio a quebrar menos de vinte anos depois de lançado…
    Parabéns pelos textos.
    M. Suzuki

  7. 1) A Previdência não é deficitária. Ou melhor os golpistas escondem os grandes devedores e as outras fontes de financiamento além da contribuição de empregados e empregadores. 2) Qdo falar em ”alta remuneração” dos servidores públicos por favor seja minimante justo com a maioria que não tem altas aposentadorias, como eu e milhares de colegas.

    1. A propaganda foi muito bem feita: 90% pensa que Judiciário e militares representam todos os servidores públicos… Quero ver chamar professora de Ensino Fundamental ou técnico em enfermagem de “marajá”…

  8. Na época da Ditadura os militares criaram a Capemi. Até hoje ninguém viu a cor do dinheiro que pagou.

  9. Somente um OTÁRIO ,ou eleitor do bolsojumento, que são a mesma coisa ,assume uma contribuição para receber daqui a 40 anos….

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *