A estupidez, semeada por anos, brotou por toda a parte

Ler os jornais, pela manhã, é tudo o que não desperta o desejo de dizer o gentil “bom dia” que costumava marcar o otimismo de um novo dia.

Num mundo onde as disputas políticas, diante do horror da pandemia, cessaram ou entraram em modo de espera, aqui no Brasil o que vemos é uma guerra sangrenta, suja e impiedosa.

Deixemos de lado as operações policiais, o noticiário sobre corrupção. os depoimentos e despachos judiciais e, ainda assim, por toda a parte se vê as horríveis flores da estupidez que há anos vem sendo semeada pela mídia, que ara a mente pública com as instituições servindo como o gradil que fere a terra.

Vejam, apenas hoje: os sabidíssimos procuradores do Ministério Público de Minas, Piauí e Goiás, do alto de seu conhecimento epidemiológico, exigem o fornecimento de doses da milagrosa cloroquina que a Organização Mundial de Saúde não recomenda nem para estudos. Depois, a pesquisa Datafolha indica que cresce a minoria suicida que, ainda que morram pessoas como moscas: 28% acham que se deve “acabar com o isolamento das pessoas em casa para estimular a economia e impedir o desemprego, mesmo que isso ajude a esp​alhar o coronavírus”, segundo diz o Datafolha.

Aqui no Rio, enquanto os camburões da PF cercam o Palácio Laranjeiras, o bispo prefeito autoriza os cultos religiosos presenciais e gasta seu tempo combinando com os “cartolas” o reinício dos jogos de futebol, enquanto expurga cadáveres da contabilidade da pandemia.

Tudo isso ocorre no Brasil que assume a triste liderança na expansão do contágio e da morte no mundo e que, internamente, está esgarçado por uma epidemia de ódio fascista, que não envergonha – antes parece fascinar – as Forças Armadas, que se tornam uma das cabeças do Cérbero do nosso deus dos infernos.

Quem a ele reage, o faz miando, como fez ontem Rodrigo Maia, esquecendo que um estadista não se faz com palavras, mas com atos e uma esquerda que, tristemente, parece não entender que se o combate ao fascismo couber apenas a ela será derrotada além de liberais que, da mesma forma, não compreendem que sem ela estará esmagada.

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on whatsapp
WhatsApp
Share on email
Email

3 respostas

  1. Deixamos de ser um brasil lindo e trigueiro, este brasil brasileiro… passamos a ser um país miliciano, marginal, onde a convivência está muito complicada pela agressividade que saiu da garrafa do gênio do mal.

  2. Procuradores exigindo o uso da cloroquina? Esta é uma sub-categoria profissional que não cansa de se enxovalhar perante a opinião pública. Os médicos também deveriam exigir que os procuradores cumprissem a lei ou que, pelo menos, aprendessem a usá-la.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.