A felicidade transforma, a infelicidade afunda

Em 2014, éramos o 14° colocado nos “rankings de felecidade” mundiais, medidos pela empresa de pesquisas de opinião Gallup.

Hoje, segundo a pesquisa analisada pelo jornal O Globo, caímos para a 32ª posição.

Claro que não se pode atribuir total exatidão a pesquisas assim, mas a queda é mais do que significativa de uma maré minguante das sensações de bem-estar do brasileiro.

Não foi por acaso.

A mediocridade das elites brasileiras, agarrou-se a um moralismo que jamais se escandalizou com a pobreza nem com a exclusão e destruiu o ciclo de prosperidade e otimismo que, com todas as limitações e defeitos, o país vivia.

Agarraram-se a um sonho passadista – de um passado de perfeição que jamais existiu – e atiraram-nos nessa vala de tristeza, desconfiança e ódios.

Temo que essa vazante de humanidade que vive o Brasil ainda não tenha chegado ao fundo do vale.

Demora, mas ela passará.

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on whatsapp
WhatsApp
Share on email
Email

10 respostas

  1. Os pobres e a classe média de esquerda sempre souberam.
    Quando é que os pobres e a classe média de direita vão se tocar que, nos tempos do PT, eles eram felizes e não sabiam?

    1. Vou repetir um comentário irônico que fiz aqui ontem:

      “Aprendeu valores morais com a mãe que batia de chinelo e o pai que batia com o cinto, então é cidadão (classe D) de bem e que apoia Boçal Nato.”

      O que escrevi acima foi a caricatura de um tipo que tenho encontrado por aí, cheio de si e de também cheio de senso comum – normalmente pessoas mais humildes, ou que tiveram origem bem humilde. Parece que o único “ativo” que possui é a (suposta) integridade moral forjada numa educação de obediência canina e no esforço pessoal (meritório) em que alcançou um padrão de vida algo superior ao de sua infância. Normalmente possuem uma deferência a quem é “dotô”.

      São presas fáceis do discurso moralista do PIG que demonizou o PT como o “inventor” da corrupção e dos Datenas e Wagner Montes do “tudo se resolve na bala”.

      Não sei quanto a vocês, mas me deparei com muitas pessoas assim – ou então minha observação está equivocada.

      1. Observação corretíssima! Também encontro diuturnamente pessoas forjadas nessa têmpera.

  2. Acredito que a solidariedade, a compaixão, a empatia e a misericórdia são o comportamento que nos torna humanos.
    Parece que o Brasil acabou de descobrir que “Deus está morto” e todo esse tipo de filosofia calculista e primária.
    Precisamos dar o segundo passo e entender a religião no sentido sociológico, como um regulador do comportamento que é capaz de nos tornar realmente fortes.

  3. Você não pode ignorar tb que em 2013 (como reflexo de 2008), pós PADRÃO FIFA, o brasileiro se dava conta de que o país não ia tão bem e ele não tinha tanto assim pra comemorar o que já começava a perder, ainda mais com DILMA que não sabia vender seu governo e realizações

    ..aí depois veio 2015, JOAQUIM LEVY, e Mama perdeu a própria base tb..

    FATO – enquanto as correntes democratas se digladiavam, criminalizavam e se OFENDIAM ..os ratos extremados tomaram conta do barco ..e os EUA e FFAA aproveitaram pra capitanear a NAU descontrolada

    HOJE, como nunca, muitos estão aprendendo que não se deve brincar com voto

    E depois de BOZO, talvez comecemos a pensar mais seriamente no antes improvável Parlamentarismo ..afinal, com um presidente como este o ESTRAGO pode ser dantesco

  4. A Organização GLOBO é sócia do Projeto de Desmontar o Brasil.
    Importante deixar isso muito claro.

  5. Essa é a razão de num certo país do iluminismo lá atrás ter surgido o lema: liberdade, fraternidade e igualdade e em outro: ordem e progresso. Acho que não entendiamos bem o que estava em jogo e acho até que alguns não entenderam, ainda que tenhamos sido colorados, ao não defenderem com a clareza necessária a Venezuela é ao insistirem em estimular instituições, cujas direções são fascistas, como as listas!

      1. No Brasil de Boçal Nato há uma “Matrix” rodando a “ordem”, que até agora não ficou claro para muitos quem realmente é o dono do jogo.

        Inicialmente, parecem que são os EUA. Mas podem ser militares esperando a hora certa para darem o bote e chutarem o Recruta Zero.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.