A morte não perdoa a desídia

Os números da tragédia do novo coronavírus no Brasil , crescentes, são – todos sabem – resultado do que fizemos de imprudente há duas semanas.

Como não mudamos, a não ser para pior, nestas duas semanas em que as ruas se encheram, as filas e aglomerações cresceram, sabemos que, pelo menos pelo mesmo tempo teremos casos crescentes de adoecimento e de morte.

Mudamos de patamar, de casa das 400 para as 600 mortes diárias e dos seis mil para os dez mil novos infectados por dia. Mudaremos de novo e agora sabe Deus se para perto de mil perdas de vidas e 15 mil novos casos diários.

Diante das pressões do governo federal, prefeitos e governadores hesitam em fazer o que é seu dever e interromper a circulação de pessoas, que só pode se dar pela interrupção das atividades econômicas, jamais – como se demonstrou – apenas com bloqueios de tráfego, que geram mais confusão que efetividade.

Além do mais, é o transporte público, por sua própria natureza de massa, um dos principais focos de transmissão da doença, não sozinho, porque estamos assistindo há duas semanas as insanas filas na Caixa para tentar obter o auxílio que, afinal, vira auxílio-contaminação.

Não é possível prever mecanicamente o que vem pela frente, porque a epidemia transferiu-se, de vez, para os bairros mais pobres, ode as condições de isolamento são ainda mais precárias.

Pode ser, infelizmente, que a progressão não seja mais geométrica, mas exponencial.

Vamos pagar o preço de termos serviços públicos enfraquecidos e governantes ensandecidos.

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on whatsapp
WhatsApp
Share on email
Email

12 respostas

  1. Tem a fila p pegar os 600 reais
    A fila na igreja p dar 60 pro pastor
    A fila no caixa p gastar os 540 com comida

    1. Todo mundo avisou antes do paulo guedes.
      Ele foi o último a saber.
      Há pouco mais de um mês ele disse que a economia cresceria 2,5% este ano apesar do coronavírus.
      Naquele momento a doença já estava espalhada por todos os continentes e o mundo inteiro já sabia que a economia seria gravemente afetada, menos ele.
      Poucas vezes se viu alguém tão perdido na função que exerce.

  2. Queria saber porque, com o perdão da palavra, o cu doce da Anvisa em querer homologar os respiradores que estão em desenvolvimento. Tem hospital usando saco plástico no lugar dos inexistentes respiradores.

    1. Pois, se depender da Anvisa, esses hospitais terão que aguardar a homologação dos sacos plásticos, sem contar que o Zumbi da Saúde vai querer centralizar a aquisição!

  3. Além da volta em massa às ruas, pelo menos nas regiões de mais baixa renda, há outros fatores que estão complicando muito a situação. A má vontade criminosa do governo federal somada à incompetência dos estados, não permitiu a instalação de unidades hospitalares de emergência em quantidade e na rapidez necessárias. Já temos muita gente morrendo sem atendimento. Tivemos tempo, como foi dito aqui, e até uma ação menos devastadora do vírus se comparados aos EUA. Tem muita gente com sintomas leves e outras nem tanto, se tratando em casa. Inclusive com medo de ir à unidade de saúde, contrair outras infecções e receber tratamento precário.

    1. É que muita gente minimizou o problema, inclusive você, que está até hoje perguntando onde está a montanha de corpos, sendo que já são 270 mil mortos, um verdadeiro Everest.

  4. Interromper a atividade econômica sem dar condições para que as pessoas fiquem em casa, é pedir pro pessoal estourar nas ruas.

    Ou faz comida o Doria que faz demagogia social com o isolamento ao mesmo tempo que libera a volta das escolas e desapropriações às 7 da manhã.

    Querer discutir a favor do isolamento sendo que bem os 600 reais às pessoas estão recebendo é demagogia caolha pra jogar a culpa em cima da população que “não tem educação”.

    O problema real é que para discutir o problema de forma séria seriam necessárias medidas que de forma alguma seriam implementadas por bolsonaro, Doria, Maia, mourão…

    E é por isso que não saímos dessa conversa fiada de que o bolsonaro faz necropolitica e blablabla.

    Pra dar condições para a população ficar em casa o primeiro passo é essencial e é óbvio que se trata de retirar o bolsonaro, não daqui alguns meses, não semana que vem, mas hoje.

    E é aí que vemos o oportunismo eleitoral da esquerda se resumir a esse discurso bunda.

    Então são sócios do bolsonaro. Deixa morrer e depois nos acertamos.

  5. É absolutamente surreal. São Paulo está a fazer rodízio de circulação de automóveis e ainda explica que é uma medida de enfrentamento ao coronavirus. Antes de se convencerem da necessidade absoluta de adotar o lockdown, eles vão fazer rodízio de cortejos fúnebres.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *