A MP do “morra sem emprego, velho desgraçado”

O governo retirou os trabalhadores e trabalhadores de sua MP do Emprego, que concedia benefícios fiscais – como fora anunciado – a jovens que estivessem trabalhando pela primeira vez e a quem tivesse maiores dificuldades em conseguir trabalho por ter mais de 55 anos de idade.

Era um “remendão”, mais ainda poderia garantir a muitos o direito de se aposentarem.

Como esta turma do “55 ou mais”, na qual já me incluo faz tempo, terá, com a reforma da Previdência, de trabalhar pelo menos até os 65 – não importa quantos anos de contribuição tenha – isso quer dizer que, quem perder o emprego após os 55 vai é ficar desempregado mesmo, esperar pelo menos uma década e ainda se aposentar, como ficou no olho da rua, com menos do que a merreca tradicional.

Sabe aquela senhorinha que está lá na caixa do supermercado defendendo a vida? Ou o senhorzinho que arranja um trampo de porteiro para ir sobrevivendo até fazer o tempo do INSS? Esqueça, sem chance. Que vão se humilhar vivendo na casa do filho e da filha, num canto, se tiverem um filho ou filha com a sorte de terem um emprego e uma casa.

O programa, na verdade, é um “estagião”: quem der o primeiro emprego a alguém entre 18 e 29 anos não paga a contribuição previdenciária patronal – pra quê, se esta garotada não vai se aposentar nunca, não é? – e recolhe um quase nada (2%) de Fundo de Garantia. Dois anos depois, cessa o benefício e o “chutado” ganha 48% do salário (mínimo, decerto) de FGTS.

Ah, e para não perder a viagem, embutiu-se na MP o direito do patrão obrigar o trabalhador a não folgar nunca aos domingos, e não escalonadamente. E ainda diminui a correção das dívidas trabalhistas, tornando um bom negócio não pagar e aplicar o dinheiro.

 

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on whatsapp
WhatsApp
Share on email
Email

7 respostas

  1. ESSES IMBECIS VOTARAM EM MASSA NO DELINQUENTE OU EM PARTIDOS FISIOLOGISTAS QUE POVOARAM O CONGRESSO SURRUPIADOR DE DIREITOS.
    Devemos olhar para eles como coitados ou dizer fodam-se ?,porque muitos deles tiveram a experiência de um governo diferente e nem assim ficaram convencidos.
    Não os olho (aos invês de muitos intelectuais de esquerda )como “vítimas” ou teremos que concluir que não tem a capacidade de com seu voto , fazer a escolha certa.
    Que lhes sirva de experiência .Aprenderão? duvido.

  2. Eu me pergunto: onde estavam na eleição de 2018? Estou sofrendo e sei que vai piorar. Mas lutei, pedi, fui a passeatas, etc. Fui vencido, é certo, mas onde estava essa juventude? Fazendo ” arminha”? Votando na direita fascista? Achando-se diferente? Vão aprender sofrendo a colheita do que plantaram. Vejo Lula um D. Quixote, lutando bravamente, com coragem. Mas onde está o morro, a favela, a periferia? Ah, no futebol, na cervejada, na roda de samba…

    1. Pior. Nas igrejas, recebendo e espalhando notícias sobre as “mamadeiras de piroca” e a “libertação imediata de 500 mil assassinos e estupradores” com “a mudança na lei que STF aprovou semana passada”.

  3. Parabéns aos celerados que votaram no “mito”.

    Quem puder, retire daqui seus guris, pois além de escravos , cresce rumores de ditadura e os jovens são sempre as vítimas preferenciais dos cidadãos “de bem”.

    Eu aqui ainda aguardando uma reação desse POVO e cada dia mais descrente.

  4. Todos os povos merecem sofrer se votarem num Calígula para presidente.
    E o brasileiro……VOTOU!!!
    Fodam-se trabalhadores brasileiros novos,velhos e meia-boca……. fodam-se todos os 57.000.000 de anormais que elegeram o Hitler analfabeto.

  5. E metade, pelo menos, votou nele. Alguns ainda o apoiam.
    É inacreditável.
    Que desgraça é o paulo guedes. Duvido da sanidade mental deste idiota.
    Todas as suas medidas econômicas se reduzem a tirar dinheiro dos mais pobres, reparem. Alguma vezes tira dinheiro tirando direitos elementares.
    Do time da damares, salles, araujo, heleno, moro e bolsonaro.
    Que desgraça!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *