A nova política econômica: “que se dane, talquei?”

Lê-se na Folha que Paulo Guedes vai insistir, apesar do veto do Tribunal de Contas da União, com a sua proposta de “meta flexível” para o Orçamento.

Traduzindo é um “a gente vai levando e, conforme for, o rombo vai ser X ou dois X, ou três…”

Em outra reportagem, diz-se que Bolsonaro também desistiu de apresentar propostas para a tal reforma tributária (que já morreu) e deixar que o Congresso – leia-se Centrão e Rodrigo Maia – façam o que quiserem.

A única coisa pela qual Guedes promete se esforçar, agora, é a venda da Eletrobras, dos Correios e do que mais conseguir, para torrar o arrecadado no rombo fiscal de “seja lá quanto for”.

Muito provavelmente não teremos Orçamento aprovado – e Deus sabe o quanto de loucura ele conterá – até o início do ano e, para falar a verdade, nem mesmo uma situação econômica que, aqui e lá fora, finge que não vê o agravamento da crise sanitária.

Ontem os EUA bateram recordes de casos novos de Covid num só dia – 200 mil! – e de mortes diárias – 2.885, mais do que os mortos do ataque terrorista do World Trade Center!

E vai piorar, no diagnóstico unânime dos especialistas em Saúde, pois o país tem um número de internações igualmente recorde: 100 mil, dos quais 20 mil em unidades de terapia intensiva, sendo quase 7 mil entubados.

Achar que isso não vai se refletir na economia, só sendo louco e leviano, uma das duas coisas só não basta.

Não há a menor possibilidade – por todas as razões – de que vacinação vá resolver as coisas no curto prazo.

Estamos caminhando para uma segunda onda de recessão econômica e o organismo econômico está muito mais combalido do que na primeira, oito meses atrás.

 

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on whatsapp
WhatsApp
Share on email
Email

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.