A síndrome do escorpião

Há gente surpresa com o fato de, mesmo tendo com o PL (em tese) a maior bancada partidária na Câmara (99 deputados do PL) e no Senado (14), Jair Bolsonaro toma a iniciativa de entrar em conflito com a maioria das Casas legislativas, primeiro com a inócua iniciativa de cancelar as emendas parlamentares (as das comissões e as de relator) e, agora, confirmando que vai lançar uma candidatura contrária à de Rodrigo Pacheco à presidência do Senado.

Não há nada de surpreendente, porque, estando fora do Governo, Bolsonaro sabe que só pode sobreviver como seita radical e não como participante do jogo democrático institucional. E, para isso, bancadas parlamentares só servem se puderem ocupar posições em que inviabilizem o funcionamento do novo governo. Ou, ao menos, tentem fazê-lo.

Bolsonaro é como o escorpião da fábula, que ferroa o sapo que lhe proporcionou atravessar as dificuldades do pântano, ainda que isso o vá destruir também.

É da sua natureza e dela não pode fugir.

O Centrão não é “ideológico”, é prático. Ficar em oposição radical a um governo nascente, com cargos e políticas a serem definidos é como querer que o sapo se afogue.

Lula, velho de guerra na interpretação política, sempre soube que isso acabaria por acontecer e, por isso, espera o fim do governo para atrair PP e Republicanos, senão para a base governista, ao menos para uma postura pendular em relação às propostas da nova administração, ao menos no primeiro ano.

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on whatsapp
WhatsApp
Share on email
Email

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *