“A verdade é o que eu digo” e dane-se a pesquisa sobre os fatos

Quando se escreveu ontem aqui que o bolsonarismo era a negação da realidade e sua substituição pelas “verdades ideológicas” da extrema-direita não se estava brincando.

Hoje, noticia O Globo, o ministro da Cidadania (?!) diz orgulhosamente que mandou engavetar uma pesquisa da Fundação Oswaldo Cruz sobre o uso de drogas, que mobilizou 500 pessoas para realizar, com 16 mil entrevistas, um mapeamento da incidência e das características do consumo de drogas no país.

Seus resultados não podem ser contrariados porque, supostamente, contradizem o estudo “científico” feito pelo próprio Osmar Terra: “Eu andei nas ruas de Copacabana, e estavam vazias. Se isso não é uma epidemia de violência que tem a ver com as drogas, eu não entendo mais nada. “.

É provável que não entenda mesmo, sr. Osmar.

O argumento que invoca a seu favor é o de “perguntar a mãe” de um jovem adicto de drogas se há ou não uma epidemia é de uma evidente manipulação. É evidente que as possíveis causas externas estarão na frente de qualquer avaliação sobre causas familiares, educacionais, existenciais e tudo o mais. Não só com drogas, isso é velho como as traquinagens de moleques, sempre apontadas como resultado das tais”más companhias”.

Terra pode ter a opinião que tiver, mas não pode ocultar um trabalho científico e impedir o acesso a informações que foram, afinal, produzidas com dinheiro público.

O festival de besteiras, porém, prossegue.

O Ministro diz que “não confia” na Fiocruz, uma instituição científica de 119 anos, mundialmente reconhecida, porque, segundo ele, ela teria “um viés ideológico de liberação das drogas” e a acusa de ter feito uma montagem para criar dados falsos.

— É uma pesquisa baseada em algumas cidades. Na prática, fala que o número de pessoas que usam drogas é pequeno. É uma metodologia que eu não usaria, uma opinião de quem é do ramo. Na minha opinião, as pesquisas da Fiocruz estão sendo montadas para provar que não tem epidemia (de uso de drogas no Brasil). Agora, anda na rua no Rio de Janeiro e vê a quantidade crescente de pessoas se drogando nas ruas. 

Vai na mesma linha do outro energúmeno, o da Educação, que acha que as universidades se prestam a andar pelado, fazer balbúrdia e fumar maconha.

A ignorância está no poder, é preciso enfrentá-la.

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on whatsapp
WhatsApp
Share on email
Email

19 respostas

  1. A ministra Frozen-Bob Esponja também faz parte deste time. O achismo norteia estes sinistros ministros. É o mesmo achismo em que se baseiam muitas “opiniões” de bozonaristas, antipetistas, antiesquerdistas e pobres de direita. o mantra “o PT quebrou o brazil” foi implantado nas mentes vazias através de muito achismo e nenhuma comprovação através de dados. Quando algum tonto comentar “o PT quebrou o brazil”, vale a pena pedir que apresente dados confirmando esta afirmação. É como perguntar à centopeia da piada como ela faz para mover tantas pernas de maneira coordenada.

    1. Achismo? De maneira nenhuma. Essa desqualificação da FioCruz para investigar a questão da suposta epidemia tem um propósito claríssimo, no qual se envolve esse bigodinho e a ministra das goiabeiras: trata-se de uma campanha de transferência de capital público para instituições religiosas, sob o escudo das clínicas criminosas de tratamento de dependentes. Essa agenda, diferentemente da agenda dos cortes públicos e da deforma da previdência social, caminha a passos largos sem oposição alguma!

  2. RELIIIINCHA BRAZZZZZILLLL!
    OUTRO PATRÍCIO “GAÚCHO GROSSO” NA POLÍTICA… ESTAMOS COMENDO MERDA TÓXICA RADIOATIVA AQUI PELA PAMPA GAUDÉRIA?
    ISSO EXPLICA PORQUE SOMOS OS ESTADO MAIS ATRASADO TECNOLOGICAMENTE NO SUL DO BRASIL…

  3. Uai, temos um membro da família imperial, além de muitos generais, que aplaudem essa “guerra santa” contra a “ideologia”. Política de Estado (!!??).

    Só não digo que eles querem nos transformar numa “Bananalândia”, porque banana não deixa de ser um tipo de riqueza. “Desertolândia” é mais adequado.

  4. Na república de Curitiba, com meia dúzia de pessoas envolvidas, tudo vazava…

    Agora, um o estudo que envolveu milhares de pessoas, não???

    Será que acabou a verba da mídia golpista para “vazamentos”????

  5. O que o energúmeno do “ministreco da cidadania” (tem mesmo essa Pasta?) Osmar Terra entende de pesquisa científica, um JUMENTO entende de MISSAS.
    Estamos mesmos na ESCURIDÃO.
    PQP !

  6. Um ANIMAL estúpido ,ignorante,reacionário,um típico coronel do interior gaúcho.Que sempre se elege,ou sempre está na vitrine.
    Méritos???aguardo a resposta de algúm eleitor desse verme.Lembro dele quando nomeado,colocou a culpa no Bolsa Família dos gastos “enormes” do governo e que este plano estava cheio de fraudes .
    Um profissional da política ,espalhando todo ódio das elites sulistas pelo popular.
    Não podemos deixar um imbecil como esse Terra ,definir o que é correto,TEMOS QUE COMBATE-LOS.

    1. Triste ver que o Ministro representa o que pensa mais da metade das pessoas do meu estado. Estado que votou em peso no presidente e segue até hoje o apoiando. Se o Brasil vai mal, o RS está cada vez pior. É triste a situação aqui. De cada 10 pessoas que conheço umas 7 ou 8 apoiam as ideias do presidente. Isso quando não vão pra rua gritar que o sul é o meu país.

  7. O “perigo das drogas” ainda é um bom mote para o atual “governo” e suas bases (milícias, fundamentalistas, escola sem partido etc.). Serve para justificar muitos gastos, muitas ações violentas. Eles jamais vão atualizar seus conhecimentos. Infelizmente.

  8. Que vergonha, esse terra é um completo vendido. Vendido aos métodos nazi-fascistas. Está confortável no governo. Um safado.

  9. O objetivo destes destrambelhados é fomentar os discursos das igrejas evangélicas. Estas precisam de “inimigos” a combater, em nome de Deus. E se precisam combater, precisam de dinheiro, muito dinheiro.

  10. Quando o PSDB era apresentado como a “ala progressista” do PMDB, que rebelou-se contra a “velha política” e criou o partido dos tucanos, o camaleão Osmar Terra permaneceu no PMDB onde agia como um tucano enrustido. Era muito próximo e dedicava fidelidade canina à dona Ruth Cardoso, que era uma intelectual sensata. Essa fidelidade rendeu a Terra alguns cargos federais, por indicação de dona Ruth.
    Hoje, ao contrário da preocupação social que dizia ter nos tempos em que era um protegé de dona Ruth, camaleão que é, assume a persona pública de um bolsonarista-raiz. Não se surpreendam. Quando houver o refluxo fascista e a democracia renascer, aparecerá transmutado em paladino da liberdade. Todavia, tem um traço de personalidade que é imutável: é um autoritário pedante.
    Seque a linha de seu antepassado Marcial Terra, um estancieiro rico que considerava que eleger-se deputado era o corolário de sua influência social e econômica. Para sua estréia parlamentar na Assembléia Legislativa do RS, inscreveu-se para discursar no Grande Expediente da casa. Era um bronco endinheirado mas queria impressionar. Então pediu ao também deputado Britto Velho (um sujeito muito culto) que lhe escrevesse o discurso. Sagaz, Britto Velho propositadamente atrasou-se e ficou numa ante-sala do plenário sem entregar o discurso a Marcial Terra, enquanto a sessão começava. Quando chamaram Marcial à tribuna, este sem ter o discurso e incapaz de improvisar, começou a revirar os bolsos como se tivesse esquecido o “papel”. Foi quando Britto Velho adentrou o plenário e estendeu-lhe o discurso que havia escrito.
    Tudo ia muito bem, Marcial discursando como se fosse ele o autor, até que pelas tantas, relatou um “causo gauchesco”. Todos riram muito, inclusive o discursante, que quando o silêncio retomou, disse com orgulho: esse é muito bom, esse eu não conhecia.
    Como se vê, o “brilhantismo” intelectual de Osmar Terra, nada deve àquele de Marcial Terra.

  11. Isso aí cheira a autoritarismo maçonico, fenomeno que vem desde os primordios do descobrimento. Eles que não aceitam nem tocar no assunto da legalização e a aplicação de redução de danos.
    É dinheiro demais em jogo.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.