É mais fácil dobrar o Centrão que a recessão

De novo, segundo a Fundação Getulio Vargas, caíram as expectativas da indústria de que seu desempenho irá melhorar.

Todo dia, como hoje, surgem mais indicadores ruins e os raríssimos sinais positivos que aparecem acabam send devorados pela maré pessimista da economia.

O dólar médio de maio vai ficar acima dos R$ 4 , acumulando uma perda de 10% desde a posse de Bolsonaro, pressionando os preços.

José Casado, analista a anos-luz de qualquer esquerdismo, diz hoje em O Globo que “A economia derrete sob Bolsonaro“:

O presidente se entretém na caça a fantasmas do sepultado comunismo, estimulando sectarismo e manifestações de apoio ao governo. Em cinco meses, da sua caneta saiu apenas uma iniciativa para imediata criação de empregos — na produção de armas.
Bolsonaro pode não ter percebido, mas o país derrete sob seu comando. Deveria ver o caso de São Paulo, onde há sete meses obteve 15,3 milhões de votos (67,9%), com uma vitória acachapante em 631 das 645 cidades.
São Paulo se asfixia em perdas econômicas intensas, disseminadas e reincidentes. A indústria completou três trimestres de queda na produção. Em março, a recessão difundia-se por 72% dos setores industriais, sem perspectiva de reversão para veículos, alimentos, eletrônicos, máquinas e equipamentos.

Só os fundamentalistas de mercado e os alucinados da camisa amarela acham que reforma da previdência reverte a economia. Não, porque não só ainda leva tempo para sair como, ainda que aprovada, leva tempo para fazer efeito.

Não adianta transformar o Congresso em “bode expiatório” de uma crise que não está nem aí para “namoros ” e “casamentos” de Bolsonaro, Maia e Guedes.

A recessão não é um “mimimi”. E não vai ser evitada com “memes”.

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on whatsapp
WhatsApp
Share on email
Email

9 respostas

  1. E vocês todos,que agora,querem tirar os SEUS DA ESTACA,são responsáveis pela eleição desse ENERGUMENO,que expressa o cérebro de todos vocês.Vão se acostumando a COMER ALFAFA,pois a selva amazônica,após desmatada,vai produzir bastante comida,para vocês.Quanto a nós,do lado de cá,ja estamos habituados à desnutrição.Mas vocês vão ter que comer ALFAFA,com óleo de peroba,para imitar azeite.

  2. Víamos o desastre da indústria, praticamente seu futuro desaparecimento, com clareza meridiana, e falávamos aqui e alhures de todas as maneiras sobre isso. O neoliberalismo já não tem futuro, e aliado à loucura entreguista, não tem mesmo. Não quiseram nos escutar, porque isso faria com que fossem discriminados entre os colegas do Clube dos Ricões, “alguém que lê blogs de esquerda”. Estes coitados estavam deslumbrados, fascinados, e não tinham capacidade intelectual para entender nada do que acontece na economia, no país e no mundo de uma maneira geral. Só vêm propaganda de direita. Escolhem os economistas para ouvir palestras, como escolhem uma igreja para ouvir um pastor otimista e enganador, enquanto o mundo desaba lá fora.

  3. ALÔ Maia e STF – URGENTE: sugiro que vocês leiam urgentemente o artigo de Reinaldo Azevedo ‘Pacto nada! Bolsonaro quer é colar no Congresso e no STF a pecha de acuados’. Estamos lidando não só com um louco, mais com um homem sem escrúpulos. Então senhores: temos um louco miliciano sem escrúpulos comandando o nosso país.

  4. Brito, sua frase
    “Não, porque não só ainda leva tempo para sair como, ainda que aprovada, leva tempo para fazer efeito.” sugere que você concorda que a reforma da previdência tem a virtude de estimular a economia, mas isto é uma falácia, não relação causal entre a reforma e o crescimento, porque este depende de investimento produtivo e, no máximo, a reforma pode estimular investimento financeiro.

    1. Compreendi o sentido do que o Brito escreveu, mas você está certo. Efeito causal zero do ponto de vista do crescimento econômico de curto prazo e, como agravante, impacto negativo a médio e longo prazos na medida em que reduzirá a renda de boa parte da população. Servirá apenas para ampliar o capital disponível nos bancos para a especulação nos mercados, sem efeito concreto sobre a saúde financeira das empresas ou dos consumidores.

  5. Fazendo um adendo… Só os fundamentalistas de mercado, esquizofrênicos paranóides e os alucinados da camisa amarela acreditam que a “reforma” da Previdência vai colocar dinheiro na economia tirando capacidade de consumo. É como cortar uma perna na esperança de uma nova crescer no lugar. Estamos nas mãos de mitos – de mitômanos.

  6. Brito, além do setor armamentista, as funerárias vão criar muitos empregos, os presídios vão ser privatizados e serão a fonte de financiamento de campanhas dos malucos.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.