A vergonha impressa da mídia brasileira

Sim, creiam: os jornais brasileiros – os mesmos que enchem a boca para falar de ética e profissionalismo, fazem quase silêncio absoluto do que é manchete no mundo inteiro, e nos países que menos têm agentes públicos envolvidos com o escândalo do Pandora Papers, que revelas contas e empresas em paraísos fiscais de chefes de estado, dirigentes de alto escalão e megaempresários.

Na nossa cota, nada mais, nada menos que o ministro da Economia, Paulo Guedes, e o presidente do Banco Central, Roberto Campos Neto.

Escândalo em letras para lá de acanhadas e palavras envergonhadas. Na Folha, o nome é “questionamento”; no Estadão os nomes são omitidos e em O Globo, a notícia nem existe na capa.

Para quem gosta tanto de falar na “censura comunista”, todos parecem prontos para editar um jornal na Coreia do Norte.

Talvez conviesse avisar ao afetados publishers – como gostam de ser chamados os “bacanas” da nossa mídia – que a internet acabou com seu monopólio da informação e que não adianta mandar as notícias para a Sibéria, porque elas chegam à sociedade mesmo assim.

Também não adianta a “passada de pano prévia” do Procurador Geral da República, Augusto Aras que reagiu com um brandíssimo “vamos oficiar” [a Paulo Guedes]:

“Trata-se de uma notícia que foi publicada pela imprensa (sic). Com todo respeito à mídia, não podemos fazer investigações com base em notícias.

O Dr. Aras deveria saber que, já tem alguns séculos, noticias costumam ser publicadas pela imprensa e é com base em notícias que o Ministério Público abre uma grande parte de suas investigações.

É impressionante o moralismo seletivo desta turma. Imagine um alto dirigente petista apanhado com uma offshore no Caribe?

O problema é que não há quem possa mistificar dizendo que é apenas “um deslize ético” menor. A lei brasileira não permite – e com sabedoria – que alguém seja sequer aspone no Governo e, ao mesmo tempo, dirija uma pequena quitanda no subúrbio, quanto mais ministro (e da Economia!) e comande uma offshore de milhões de dólares em uma ilha no Caribe.

 

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on whatsapp
WhatsApp
Share on email
Email