Adiamento do relatório inviabiliza votação da reforma antes do recesso

Não creiam nas afirmações de que o novo adiamento da apresentação do parecer do relator da reforma da Previdência, agora para a quinta feira,  “não afetará o calendário de votação”.

Primeiro, porque é regimental o pedido de vistas que suspende o exame da matéria por duas sessões. Mesmo que seja lido na quinta-feira, a discussão ficaria para a semana seguinte e a semana seguinte é “capenga”, pelo feriado de Corpus Christi, na quinta-feira.

A votação ficará, pelo menos, adiata até a primeira quinzena de julho, como já admite o presidente da comissão que analisa a PEC, deputado Marcelo Ramos. Ele diz, em entrevista à página da Câmara que na tramitação do texto enviado pelo governo Michel Temer,só o debate exigiu três dias “porque todos os deputados podem falar”.

Salvo por um improvável ato de força  que impeça a votação de várias das emendas (quase 300!) em separado, é impossível o que não sejam consumidos mais quatro ou cinco dias nestas decisões.

Plenário, só no segundo semestre, portanto.

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on whatsapp
WhatsApp
Share on email
Email

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.