Alvim perde o cargo. Wajngarten volta à berlinda

O discurso nazista do secretário de Cultura Roberto Alvim, por algumas horas, aliviou a barra do secretário de Comunicação da Presidência, Fábio Wajngarten.

Mas parece que esta estranha “blindagem” por uma cópia inacreditável das declarações de Joseph Goebbels não vai durar.

Jair Bolsonaro, depois de reuniões com assessores (era preciso?) resolveu demitir o gajo e tentar achar outro facistóide, menos “bandeira”, para a Cultura.

Chamo a atenção para a nota de abertura e hoje do “Painel” da Folha de S. Paulo, Auxiliares de Bolsonaro querem que Wajngarten afaste gestor de empresa, irmão de seu número 2 no governo.

Gerou incômodo em auxiliares de Jair Bolsonaro a forma como Fabio Wajngarten está agindo para se defender das revelações feitas pela Folha sobre sua conduta na Secretaria de Comunicação. A avaliação é que ele deve atuar de modo mais efetivo e poderia afastar Fabio Liberman, irmão de seu número 2 no governo, da gestão de sua empresa, a FW Comunicação. A leitura é que esse é um dos pontos frágeis da defesa do secretário, que vem alegando internamente não haver conflito de interesses.

A preocupação não é à toa: é dos irmãos (e sócios) Lieberman que virão situações comprometedoras, dando indícios de que a escolha de Wajngarten por Samy Lieberman foi a de alguém com que se pudesse contar para negócios .

 

 

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on whatsapp
WhatsApp
Share on email
Email

11 respostas

  1. Eu indico a Regina Duarte para substituir o Alvim na Secretaria da Cultura. Pena que o Bozo brigou com o Frota e a Joyce Hasselmann, pois estes também seriam ótimas indicações.
    Os bolsominions do país todo estão em polvorosa. Todos sabemos que neste momento já estavam escrevendo maravilhosas obras de arte, compondo lindas óperas terrivelmente evangélicas, não pelo prêmio e sim pelo engrandecimento da nova arte do Brasil.

  2. ” Rachadinha ” , esta tem DNA do clã . Proteger os envolvidos e correr os riscos com os arquivos vivos é o que resta . Mas as negociações estão por um fio . Sigam o dinheiro , mas quem vai fazer isso ? .
    A justiça ,MPF , PGR , e outros . Todos nos bolsos dos bozos .

  3. “Vamos fazer um governo sem ideologia”
    “Vamos combater a corrupção com a ajuda do Moro”
    “Acabou a mamata”
    “Não vamos misturar interesses públicos com privados”

    E o gado dorme que é uma beleza.

  4. Sabe de uma coisa, Brito? O esquema ilícito do Secom é tão primário e amador que parece que só mesmo um nazista na sala seria capaz de desviar a atenção. Foi muito “na cara” o nosso Goebbels, ele estaria na Secretaria da Cultura até agora se não tivesse despido, na frente de todos, a máscara ou, como a garotada de hoje diz, revelado seu power level.

  5. o que pesou foi o veto da comunidade judaica.Não tem nada a ver com alguma mudança no projeto entreguista

    1. É o que penso. O problema não foi explicitar a ideologia do governo, o problema foi ter tocado num ponto sensível. Não custa lembrar que este “governo” é submisso aos EUA e também a Israel, sem contar os neopentecostais que são fervorosos defensores de Israel por causa daquela tal profecia.

      1. ainda ontem, o bozo disse que esquerdistas não são normais, i.é, podem/devem ser eliminados. Na campanha falou em matar 30 milhões de indesejáveis. A comunidade judaica se divertiu muito, no show do bozo na Hebraica/RJ, quando ele debochou de quilombolas.

  6. Creio que descobri o maior segredo do BOZO! Trata-se de um judeu-nazista-miscigenado! (primeiro é único da espécie). Tomara que entre logo em extinção…

  7. Apoio ao bozo em queda livre: enquete de especialistas e colunistas contratados por especiais especialistas revela que Bozo está com pouco mais de 19% de apoio entre os bolsominions. É verdadeira esta PESQUIZA.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.