Bolsonaro, de volta à “Globo-Lixo”

Jair Bolsonaro, informa o UOL, está tirando de seus fanáticos o argumento de dizer que o desgaste de sua imagem é produto da “vingança” da Globo – ou “Globo-Lixo”, como a chamam, não sem doses de razão – por ter perdido a as verbas de publicidade com que era brindada em outros governos.

Só que, em ano eleitoral, a emissora está recebendo um baita “Auxílio-Emergencial” do Planalto: de janeiro a junho de 2022, os valores líquidos pagos pelo governo federal pela veiculação de materiais publicitários à Globo, subiram – comparados aos de 2021, de R$ 6,5 milhões para R$ 11,4 milhões, alta de 75%.

E o perfil desta propaganda também mudou: caíram 96% as peças classificadas como “utilidade pública”, destinadas a dar informações e orientações aos brasileiros (por exemplo, a vacinação) e aumentaram em 86% as campanhas “institucionais”, que sugerem que a ação governamental é eficiente, maravilhosa e “honesta”, como é o caso de peças como a dos Correios, que mostram uma empresa que teria “uma gestão correta e transparente” em favor da “Pátria da Esperança”.

É tão boa, claro, que o governo fez e faz de tudo para vendê-la.

A Globo, claro, embolsa seus milhões e espera o que realmente importa para ela: o parecer do governo sobre a renovação de sua concessão, que vence no dia 5 de outubro, três dias após a eleição presidencial em primeiro turno e que Bolsonaro vinha ameaçando não sugerir ao Congresso, que é quem tem o poder de cassá-la.

Ou melhor: o “não-poder”, pois quem será o parlamentar que porá o pescoço para fora com esta posição, para ser degolado em tela pública?

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on whatsapp
WhatsApp
Share on email
Email

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.