Aras é expressão do país ignorante e violento

Não, a cena de Augusto Aras, com seu corpanzil, partindo para as vias de fato com outro integrante do Conselho Superior do Ministério Público Federal é também – mas não só – uma das colheitas malditas do Brasil com o período Bolsonaro.

Também, porque vem de antes dele no MP, pois não se pode esquecer da confissão de Rodrigo Janot de que, em uma de suas bebedeiras, entrou com uma pistola no Supremo Tribunal Federal disposto a descarregar a arma sobre o ministro Gilmar Mendes.

Não é um episódio, antes se constitui numa era que, no MP e em outras instituições que chamaram para si a função que não têm de “salvadoras da pátria” e modelo inquestionável de pureza que, como se sabe, deixou de ser condição humana desde a expulsão do Éden.

O Ministério Público, porém, entre elas, tornou-se mesmo um emblema e olhe que numa dura competição com polícias, militares e juízes que andaram pelo mesmo desvio.

Procuradores, cada vez mais, assumiram a postura do “conosco ninguém pode” e passaram a comportar-se ou a usar o cargo – com honrosas exceções – como donos da lei e não fiscais de sua observância.

Nada menos que um crime, o do artigo 345 do Código Penal, o exercício arbitrário de suas próprias razões: “Fazer justiça pelas próprias mãos, para satisfazer pretensão, embora legítima, salvo quando a lei o permite”.

Querendo ou não, este sentimento disseminou-se para a sociedade e nada o reflete melhor do que a campanha armamentista e os milhões de revólveres, pistolas e fuzis que os “cidadãos de bem” foram normalizando e quase que transformando em objetos de “lazer” em seus clubes de tiro.

Num dia de chacinas, aqui e lá nos EUA, onde um garoto de 18 anos matou ao menos 18 crianças numa escola de ensino fundamental do Texas, seria bom que refletíssemos que as armas são o pior para a execução do ímpeto deste autoritarismo que se reveste de “justiça”.

Temos o dever de cortar o suprimento de ódio deste Brasil ignorante e violento, antes que isso se normalize completamente e todos os lugares da vida nacional sejam ocupados por valentões de botequim.

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on whatsapp
WhatsApp
Share on email
Email

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.