Às vésperas do colapso

Ainda não saíram os números, mas os registros de alguns estados já permite dizer que vamos, outra vez, superar com folga marca de 1.400 mortes pelos efeitos do novo coronavírus, fazendo desta a pior semana desde o início da pandemia, passando da casa dos 8 mil óbitos.

Os sinais de colapso estão aparecendo por toda a parte: nos estados do Sul, onde a lotação das UTI esgotou-se, no grande ABC paulista, na Bahia, na região do Triângulo Mineiro, por toda a parte o que é relatado pelas autoridades sanitárias é uma situação que se aproxima do caótico.

E não é só no “andar de baixo”, não, pois o Estadão anota que “Com avanço da covid, hospitais privados de elite em SP registram taxa de ocupação superior a 90%“.

Não há nenhuma reação do governo central do país, a não ser a de tornar mais problemática a vacinação no Amazonas, o polo mais dramático da pandemia, por um erro bisonho de trocar as doses pelas do Amapá, embora até visualmente o tamanho das embalagens – uma com 78 mil doses e outra com apenas duas mil – seja totalmente diferente.

Jair Bolsonaro está mais preocupado colocar um militar para cuidar também da Secretaria de Comunicação, o Almirante Flávio Rocha.

Está se tornando inevitável uma nova paralisação das atividades econômicas e estamos discutindo a blindagem de deputados através da “Emenda Brucutu“.

Ninguém parece dar qualquer importância para a calamidade humanitária que tomou conta do Brasil.

PS. Enquanto escrevia, saíram os dados das Secretarias de Saúde: 1.540 mortes, a segunda maior marca desde o início da pandemia. A média móvel, que coloco na ilustração, repetiu o recorde de ontem e subiu ainda mais: 1.541 em 24 horas, média semanal de 1.149.

 

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on whatsapp
WhatsApp
Share on email
Email

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *