Assassinato deliberado

Aqui e ali, os governos municipais vão permitindo a reabertura do comércio. Agora mesmo, felizmente, a Justiça revogou a autorização da prefeitura de Duque de Caxias, na Baixada Fluminense, para que todas as lojas reabrissem, mesmo com uma taxa de óbitos que é, per capita, a maior do Rio de Janeiro.

O argumento, o de que a Prefeitura precisa de dinheiro para pagar servidores – entre eles, os da Saúde – e, de fato, isso é verdade.

Mas obtê-lo à custa de mortes de seus cidadãos é algo que chega às raias da monstruosidade.

O socorro federal a Estados e aos municípios segue na gaveta, esperando que se ultime o aumento salariais aos policiais de Brasília, que ficaria proibido após a aprovação da ajuda, onde se proibiram reajustes aos demais servidores públicos de todo o país.

Prefeitos e governadores estão sendo, clara e violentamente, coagidos para abrir o comércio, por uma coligação entre Jair Bolsonaro e uma parcela do empresariado.

Cria-se uma lenda agradável, a de um remédio que a OMS determinou que se pare de usar, pelos efeitos letais que provoca e a de que estamos ultrapassando a pior fase da epidemia, sem qualquer base para isso. Ao contrário, os indicadores, mesmo os oficiais e subnotificados, apontam um crescimento vigoroso na ampliação do número de contaminados e de mortos.

Teremos, ao final de maio, meio milhão de infectados e 30 mil mortes, mas nada disso provoca sequer um tremor de humanidade em Jair Bolsonaro, obsessivamente aferrado à ideia em minimizar a gravidade da crise sanitária e usar a pandemia como pano de fundo para a tomada do poder absoluto.

Semana passada, alcançamos os níveis de mil mortes diárias – que o chargista Amarildo, na ilustração aí de cima, traduz com toda a brutalidade que isso tem – e nesta chegaremos aos 1.500, a partir de amanhã.

Tangendo o povo para a rua, como se começa a fazer, garante-se a duração do desastre até, pelo menos, o final de junho, termos um milhão de infectados e mais de sessenta mil mortes.

Para seguir o caminho de Amarildo, uma bomba atômica de Hiroshima.

É a isso que os cúmplices de Jair Bolsonaro, sejam os de camisa da CBF seja os que têm a farda guardada no armário, estão se associando.

Um genocídio, algo maior do que qualquer desgraça que já se tenha abatido sobre o Brasil.

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on whatsapp
WhatsApp
Share on email
Email

10 respostas

  1. Qual a diferença entre Trump, Bolsonaro e outros e um cidadão que pega uma metralhadora e mata 10 a 15 pessoas de uma vez? Bem, a primeira e óbvia diferença é que o cidadão matou “apenas” 10 a 15 pessoas

  2. Bolsonaro e GUEDES promoverão uma hecatombe. Esses canalhas não poderão passar impunes!
    A suposta ortodoxia do Jegues não poderá ser atenuante nesse CRIME.

  3. Estamos nos aproximando do momento do cumprimento de mais uma promessa de campanha do genocida psicopata bozomorovírus: “matar mais de 30.000 no Brasil”!
    Ministro Barrosinho e ‘sFACHINhador’ da Constituição e demais coleguinhas do STF, vocês não sentem um pouco de remorso?
    Integrantes do MINIstério PRIVADA, e vocês, alguma dorzinha na consciência?
    Sentindo ou não, nós sabemos que as togas de vocês estão sujas de golpes e sangue!

  4. Estamos nos aproximando do momento do cumprimento de mais uma promessa de campanha do genocida psicopata bozomorovírus: “matar mais de 30.000 no Brasil”!
    Ministro Barrosinho e ‘sFACHINhador’ da Constituição e demais coleguinhas do STF, vocês não sentem um pouco de remorso?
    Integrantes do MINIstério PRIVADA, e vocês, alguma dorzinha na consciência?
    Sentindo ou não, nós sabemos que as togas de vocês estão sujas de golpes e sangue!

  5. Brito, moro numa área que podemos chamar de rural aqui perto de Santa Isabel – São Gonçalo – RJ. É afastado e já se tem notícias de pessoas que já morreram aqui perto. Vão para o Rio, se contaminam e depois muitos morrem. Muitos pobres já estão morrendo! É muito triste como o ódio é devastador quando ele é a mola mestra de um governo de ultra direita que temos no nosso país!

  6. Bolso, agora presidente, graças a farra do WhatsApp e afastamento da candidatura de Lula, vem cumprindo com suas promessas de campanha: tirou a oposição das ruas, vai matar 30 mil e voltará com a ditadura em breve. Esse COISO nunca prometeu empregos, desenvolvimento do país, saúde, educação. Só falava em repressão, morte, retrocesso. E vem entregando o que prometeu. Por uma conjunção única de fatores, estamos em casa sem poder agir e o golpe se consolida com Maia, STF, PF, PGR, AGR, com todas as siglas. Enquanto discutimos se aceitamos apoio dos felipes netos, e o que moro fez no verão passado, o presidente COISO xinga, bufa, e acaba com o pouco que resta de nossa democracia.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.