Por que Moro não abre a boca?

Manchete do site da Folha diz que “Procuradores veem indícios de crime de Bolsonaro, mas ainda buscam identificar interesse na PF“.

Ou seja, verificam o crime, mas ainda desconhecem o motivo que o levou a ser cometido.

Voltamos ao ponto que, desde o início deste caso, quase que solitariamente vem sendo destacado aqui: como é que Moro (e também o ex-diretor geral da Polícia Federal), embora digam que desde agosto do ano passado estavam sendo pressionados para mudar o comando da Superintendência do Rio de Janeiro, jamais explicitaram o que Bolsonaro queria abafar ali.

A todas as indagações, da primeira à última, ontem, no Fantástico, Moro diz sempre que “isso tem de ser perguntado ao Presidente”. Ora, se Bolsonaro tinha interesses escusos nesta mudança e, por isso, sua orientação não deveria ser seguida, Moro e Valeixo certamente sabiam o motivo.

Se não o sabiam pelas reclamações do Presidente, seria fácil saber que investigações poderiam estar em seu interesse.

Então, qual é a razão de sonegarem aos procuradores (e à opinião pública) quais era e o que queria Bolsonaro?

Era um instrumento de pressão contrária, do Ministro contra o Presidente? A que se referia Bolsonaro quando disse na reunião ministerial que estava sendo “chantageado”?

Começa a ficar claro, aliás, que nesta história não é “o malvado” contra “o bonzinho” e que há muito mais do que se está dizendo.

 

 

 

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on whatsapp
WhatsApp
Share on email
Email

7 respostas

  1. Moro é a principal peça do golpe , o interesse hoje é o assalto ao Brasil e seu povo , e isso o Guedes está fazendo com maestria .
    A hora de cuspirem o Miliciano e seus filhos vai chegar , aí muita gente vai falar .

  2. Moro é criminoso cúmplice de Bolsonaro em pelo menos dois episódios, ao usar a PF para desígnios particulares do Genocida:
    —– 1) ao disponibilizar agentes da PF em missão particular no presídio federal no RN, para obter declaração do miliciano Ronnie Lessa de que não tinha proximidade familiar com Bolsonaro, inclusive negando namoro entre filhos;
    —– 2) ao disponibilizar agentes da PF em missão particular no condomínio dos milicianos do RJ, para extorquir – sob grave ameaça de uso criminoso força do estado com a LSN – declaração do porteiro negando o encontro da família com os assassinos de Marielle e Anderson no condomínio, 3 horas antes do crime.

    Criminoso Moro jamais abrirá a boca, portanto, a não ser como um criminoso delator premiado, para evitar a cadeia – o que seria a suprema ironia e o grand finale da operação lavajateira -, e, covarde como é, somente depois que os assassinos ou outros comparsas milicianos abrirem o bico, de alguma maneira.

  3. Esse “diálogo” entrecortado de Bolso e Moro me faz lembrar aquela famosa passagem do “Auto da Lusitânia” de Gil Vicente, o diálogo entre TODO MUNDO (Bolso e Moro) E NINGUÉM:

    TODO MUNDO: Folgo muito d’enganar, e mentir nasceu comigo.

    NINGUÉM: Eu sempre verdade digo, sem nunca me desviar.

    Belzebu: Ora escreve lá, compadre, não sejas tu preguiçoso.

    Dinato: Quê?

    Belzebu: Que Todo o Mundo é mentiroso, e Ninguém diz a verdade.

  4. Simples: Marreco, quando dirigente da ORCRIM, criou a PFMiliciana. Bozo chamou ele para ser ministro da justiça e segurança, para tomar dele o comando da ORCRIM. O Marrequinho virou um polvo faminto mas o bozo foi cortando seus tentáculos até virar uma bola. O capetão marcou uma penalidade e foi ele mesmo para a cobrança. Pôs o polvo na marca do cal e lhe deu um bicudaço com aço. Ninguém viu onde passou a bola, não sabemos ainda o que aconteceu. O polvo foi pra fora ou furou a rede?
    O Juiz está no VAR e ainda não esclareceu o que aconteceu. Não tem mais polvo. O jogo acabou. Só falta proclamar o resultado.
    Seja qual for ele, infelizmente vai briga, e não sabemos como vai terminar.

  5. A Globo tentou manipular Bolsonaro através de Moro e não conseguiu, essa era a chantagem. Diante do fracasso instigou Moro a sair do governo atirando, prometendo apoia-lo para presidente em 2022. No entanto, o teatro não surtiu o efeito esperado, e Moro me parece momentaneamente perdido (não tem mais a blindagem do judiciário, o poder mais corrupto e corporativista da Nação), é mal visto pelo centrão por motivos óbvios e a própria mídia não o idolatra mais. Na entrevista do Fantástico ele foi espremido para ser mais contundente, e na minha opinião pisou em ovos o tempo todo.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *