Auxílio emergencial corre o risco de virar “bolsa-voto”

O líder do governo e líder do Centrão, Ricardo Barros, que é uma reencarnação de Roberto Cardoso Alves, autor da frase famosa do “é dando que se recebe” e fundador do aglomerado fisiológico da Câmara nos tempos de José Sarney, defende, na coluna de Andrea Sadi, no G1, que o novo auxílio “para quem precisa vai ser mais uma continuação do Bolsa Família” e que são as prefeituras que farão “a verificação de quem precisa” receber o benefício.

Nem uma nem outra saídas são, em si, ruins. Tornar contínuo o benefício e dar capilaridade à sua concessão, em tese, são medidas corretas. Mas ganha um doce se estas são as intenções de Sua Excelência e não a de politizar e paroquializar os critérios de quem vai ser ou não contemplado.

Não é por outra razão que o Centrão quer – e para antes da criação da nova etapa de benefícios, colocar as mãos no Ministério da Cidadania, ainda sob o comando pró-forma do incompetentíssimo Onyx Lorenzoni.

Descentralização, em qualquer área do serviço público, depende de regras claras a serem seguidas. Do contrário, os “fura-filas” acabam por inviabilizar suas finalidades. Ou de virar um “bolsa-voto” para a turma que perdeu a vergonha que nunca teve.

Há, ainda, a pendente definição do alcance do benefício em valor e número de pessoas a recebê-lo. Estamos voltando à situação de tínhamos quatro ou cinco meses atrás, onde o impasse sobre de onde tirar recursos para isso acabou levando à meia-sola da extensão por três meses e metade do valor a ajuda inicial.

Se vier, virá pouco e tardiamente, porque o panorama de empobrecimento veloz da população é aterrador e já pode ser visto na queda de vendas nos mercados de alimentos, sobretudo.

 

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on whatsapp
WhatsApp
Share on email
Email

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *