Auxílio não mudará base eleitoral de Bolsonaro

Tema central das edições de hoje de O Globo e da Folha, a possibilidade de que Jair Bolsonaro, notoriamente mais fraco em termos políticos entre os mais pobres, possa mudar o perfil do seu potencial eleitorado com o auxílio emergencial dado durante a pandemia.

É claro que algum efeito político terá, e não poderia deixar de ser em um país onde a miséria é imensa e, pior, vinha ainda crescendo. Natural, portanto, a “melhora” da aprovação de Bolsonaro entre as classes D e E registrada pelo Datafolha, até modesta, ao meu ver.

Mas é evidente que, ao contrário do Bolsa-Família, o auxílio emergencial – já o diz o nome – não é sustentável, não é estruturante, tem dificuldades no controle de seu pagamento e, por tudo isso, vai ter uma vida breve, ao menos se, como indicam as declarações de Paulo Guedes, não se modificar uma política econômica baseada na austeridade fiscal.

Mesmo que seja mantido em valores menores, o rombo nas despesas é insustentável – ainda que houvesse uma política econômica expansionista em lugar da contração que, desde Joaquim Levy, passou a ser a lei e a “virtude” da política econômica.

Como está hoje, o auxílio custa, ao mês, cerca de R$ 50 bilhões. Ao ano, portanto, R$ 600 bilhões, o dobro, praticamente, da folha de pessoal do governo federal ou a quase dobrar o déficit da Previdência registrado em 2019, de R$ 318,4 bilhões.

Representaria um pouco mais que 8% do Produto Interno Bruto, isso sem considerar que será mais, com a brutal contração do PIB que, é certo, teremos este ano. Pior ainda, como se refere a despesa pública, a comparação mais adequada é com as receitas públicas, que terão uma queda, numa visão otimista, de cerca de 20% neste ano de pandemia e resultados medíocres no longo pós-coronavírus, venha quando vier.

É curioso como os que vociferavam contra o suposto “populismo” do Bolsa Família não piam diante do delírio que representa a possibilidade – inexequível – de um “auxílio emergencial eterno” ou até 2022.

Não vai ocorrer, entretanto. O que teremos é uma crise pior que a de hoje, porque sem horizonte final esperado (ou sonhado) como temos agora. Num Brasil que se dissolve política e economicamente, não vai acontecer, para além deste 2020 “que não existiu”, um “liberou geral” das despesas, gere o rombo que gerar, que a dramaticidade da crise sanitária exige e legitima.

Exceto pela esperança da vacina salvadora, tudo aponta para um quadro de recolhimento acentuado da sociedade e para a inviabilização, como trunfo eleitoral, do auxílio emergencial como ‘plataforma política’ de Bolsonaro.

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on whatsapp
WhatsApp
Share on email
Email

5 respostas

  1. Acreditar em vacina salvadora é como crer em Papai Noel, é como pensar que haverá desculpas pela difamação e execração de Dilma, Lula e o PT, dignos responsáveis pelo ciclo virtuoso que vivemos no passado. O resto é cinza.

    1. Mesmo porque não sabemos se existirá mesmo imunização pelo Covid, seja pelo contato direto, seja por vacina.
      Esperamos que o Covid seja como o sarampo ou caxumba, que só se pega uma vez e tem vacina que dura a vida inteira.

      Mas temos doenças como a gripe comum e a H1N1, que geram imunidade só por um ano ou dois.
      Temos a dengue, que, além de haver recontaminação, ela é PIOR do que a primeira contaminação, gerando a dengue hemorrágica.
      Temos a herpes, que nunca vai embora, o virus fica escondido nos neurônios e volta a atacar em um período de estresse ou imunidade baixa.
      Temos o HIV que não gera imunidade, e depois de décadas ainda não se obteve uma vacina eficaz.

      Além disso, já existem diversas mutações do Covid.

      Pra piorar, existem relatos de sequelas nos pulmões dos “curados”, e não se sabe ainda se são temporárias ou permanentes. E diversos casos de pessoas que ficaram com diabetes depois de pegar o Covid.

      Só daqui a uns 5 anos saberemos se existe mesmo imunidade contra o Covid e se ele deixa sequelas. Até lá qualquer esperança de haver a imunidade é puro wishful thinking irresponsável.

  2. Eleitores são voláteis, é o: QUEM DÁ MAIS. Ontem mesmo, vi um cara colocando Bolsonaro no pedestal, por causa do Auxílio. Há quem diga, que Bolsonaro é o NOVO PAI DOS POBRES… Eleitores são de momentos. Depois da pandemia, poderemos ter noção, como estará as coisas, caso Bolsonaro até lá, não tenha sido casado pelo TSE.

  3. Os tucanos não entenderam que não é um bom negócio se atrelarem a um Guedes-Bolsonaro, mesmo que ele esteja de boca fechada. A estupidez de pensar que pode existir retomada de crescimento compatível com políticas de desmonte do que resta das estruturas do Estado, e ainda mais em plena atividade do martelo vibratório da epidemia, faz deles e de sua elite um grupo de delirantes muito mais alienado que as damares da vida.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.