Biden faz teste hoje; efeito da Covid abre interrogação nas eleições dos EUA

Como o assunto mais importante da política brasileira, por conta do atrelamento total de Jair Bolsonaro a Donald Trump, são as eleições dos Estados Unidos, é bom ficarmos não com um, mas com dois olhos no que se passa no Norte.

Depois do anúncio de que o presidente norte-americano e sua mulher contraíram o novo coronavírus, correm rumores de uma possível infecção também do candidato democrata Joe Biden. que permaneceu por 95 minutos, sem máscara, a uma distancia de cerca de três metros de Trump. A assessoria do candidato democrata avisou que ele fará o teste hoje, porque seu adversário, com grande dose de certeza, já estava disseminando o vírus na terça-feira.

A idade de ambos – 74 anos, Trump; 77, Biden – torna mais perigosa a doença e é provável que as duas campanhas fiquem em suspenso.

Mas, advertem os analistas políticos internacionais, os efeitos da contaminação presidencial podem ser vários. Se Trump não desenvolver mais que sintomas leves, a maioria concorda que isso vai ser usado – como foi aqui – para proclamar a sua fortaleza e seu ar desafiador.

Embora Trump tenha sido grosseiríssimo no debate, dizendo que Biden estava se escondendo – “usando as maiores mascaras que já vi”, disse – a prudência vai evitar que isso seja explorado nos anúncios de TV do democrata.

Se manifestar sintomas mais sérios, porém, pode ser uma chance para que ele ganhe simpatia entre os eleitores ainda indefinidos, por conta de um sentimento de solidariedade.

Até agora, entretanto, Trump tem um benefício: é provável que os dois debates eleitorais previstos até 3 de novembro sejam suspensos.

Para quem perdeu pontos por seu comportamento agressivo, não deixa de ser uma boa notícia.

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on whatsapp
WhatsApp
Share on email
Email

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.