Bolsonaristas vão fazer com Maia o que Olavo fez aos militares

Como apontei ontem aqui, há intensa agitação nos arraiás da extrema direita (“minions”, PSL, Novo e o Podemos) contra as articulações de Rodrigo Maia com o Centrão.

Engana-se quem achar que é apenas por causa da manutenção do Conselho de Controle das Atividades Financeiras, o Coaf, nas mãos de Sérgio Moro.

É, também, contra a ampliação dos espaços de Maia no governo, arrastando com ele o “Centrão”,

Bolsonaro autorizou a insurreição contra o acordo que havia sido firmado por Ônyx Lorenzoni, desautorizado mais uma vez.”No pacote”, também irá o voto contrário à recriação do Ministério das Cidades.

Hoje, pelo Twitter, o movimento de rebeldia tem o apoio de Carlos e de Eduardo Bolsonaro e, até, da exótica Janaína Pascoal, que tem Maia como notório desafeto.

Maia, publicamente, tem tratado como um “assunto menor”. Só que não é assim.

Outros reagirão e é possível que  esta reação seja retaliar na comissão especial da reforma da Previdência, que teria seu cronograma retardado.

Mas Bolsonaro não vai ceder? Uma coisa é o que ele diz, outra, o que faz.

Nada é tão importante para ele quanto “manter o seus”. Foi assim no caso das provocações de Olavo de Carvalho aos militares, não é assim no caso do decreto das armas (para o qual se lixa sobre a viabilidade jurídica) e não será diferente agora, quando está em jogo o seu discurso “moralista”.

Seu objetivo principal não é fazer, é “causar”.

 

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on whatsapp
WhatsApp
Share on email
Email

8 respostas

  1. Maia é um político que não tem esta fortaleza toda para suportar pressão de radicais de direita, que são muito agressivos. É preciso que ele tenha consciência de que sua resistência é de uma importância transcendental neste momento, porque trata-se da defesa do próprio Congresso Nacional. Se eles começarem a minar as defesas do Congresso, mais cedo terão chances de instalar a terrível ditadura olavista/lavajatista. O ideal para os progressistas seria marcar algo para o mesmo dia das invasões de Brasília pela extrema-direita, e aparecer por lá para fazer um concurso de gritos.

  2. Ouso discordar. No congresso a briga é de outra ordem, ofensas e agressões são o habitat de todos. E não falo isto de forma depreciativa, são representantes indiscutíveis do povo. O jogo lá tem que ser jogado com as regras da política.

  3. O Maia é político vacinado, esses bolsominions não terão munição contra ele.

  4. Claro, perfeito, pq ele/Coiso tá cagando e andando para o Brasil e as consequencias “positivas” da Deforma da Previdência, ele quer manter os seus ativos e caminhando com sua maluquice. Não possuem compromisso com o país, com política pública, com herança, com repercussão política de seu governo, muito menos com o partido onde está, ele não tem preocupação com nada disto que seira o comum numa situação política comum. Aqui hoje nada é “comum” em política, então temos que reaprender a ver as ações, reações e possíveis repercussões. Por isto todo dia venho aqui ler seus posts. Manda muito bem, caro!

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.