Bolsonaro apela ao golpe

Quando escrevi o post anterior, ainda não tinha notícias do ato golpista com a presença de Jair Bolsonaro, diante do Quartel General do Exército.

“Agora é o povo no poder”, proclamou ele, dizendo que “acabou a patifaria” e que “nós não queremos negociar nada”, falando a algumas centenas de transtornados que pediam intervenção militar e AI-5.

Portanto, quer impor, acima e além das instituições republicanas.

Os generais brasileiros estão diante de um demiurgo de um Platão mal-acabado, um demagogo fundamentalista, ignorante, estúpido e desumano.

Generais brasileiros, vocês vão patrocinar um golpe de um capitão bunda-suja, terrorista de quartel, picareta de milícias?

A hierarquia não contempla a loucura, nem mesmo nos códigos militares.

Vão se aproveitar de que o povo brasileiro não pode, pela pandemia, encher as ruas e mostrar que estes cães raivosos são ínfima minoria?

Bolsonaro tem de ser afastado do poder, porque senão toda a razão será demitida da vida brasileira como foi o ministro da Saúde, para que mortos vivos sejam postos a servir a um psicopata.

 

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on whatsapp
WhatsApp
Share on email
Email

45 respostas

    1. Antônio boa tarde, acrescento que além de patrocinar, já estão articulando o golpe e o que falta, é o momento certo.

  1. Grande apoio popular para uma ditadura: 200 pessoas a ouvirem o capitão reformado em Brasília. Robôs não votam nem participam de pesquisas.

    1. O que os milicos querem é não se preocupar com o lado direito do cardápio, quando vão a restaurantes.

  2. Está na hora de eliminarmos literalmente este louco assassino. Só assim teremos serenidade para atenuar e salvar milhões de vida ameaçadas pela COVID-19. Há momentos que temos que fazer nossas escolhas entre o valor absoluto da vida humana ou aceitarmos que ela seja relativizada.

  3. Não são uma pequena multidão,são muitos são perigosos e enquanto os tratamos como pequena multidão eles crescem em número e perigo. Eu os enfrento no cacete desde 2016. Fascista comigo eu vou na porrada sim!

  4. Quando será que as outras autoridades entenderão que Bolsonaro é um perigo? Será que ainda haverá tempo de salvar alguma coisa? Eu já estou perdendo as esperanças

  5. Caminhamos para o golpe aberto. Avisos não faltaram. As instituições que deveriam zelar pela nossa frágil democracia nada fizeram. Já cansei de dizer: o republicanismo bonzinho e ingênuo nos trouxe a este inferno. Vamos entrar para a história como o povo alemão, que presenciou o nascimento e ascensão do nazismo e se omitiu? Vamos caminhar de mãos dadas com o capeta ou vamos reagir?

    1. Sempre repito esta fala aqui quando alguém cita o NAZISMO como referência para o que estamos vivendo,o NAZISMO não valia como não vale nada,nada, pois eram EUGENISTAS,RACISTAS,mas o NAZISMO eram NACIONALISTAS, ao contrário dessa ABERRAÇÃO que alguns chamam de presidente,um LESA PÁTRIA,FANTOCHE, ENTREGUISTA dos recursos SOBERANOS do país.

    2. Sempre repito esta fala aqui quando alguém cita o NAZISMO como referência para o que estamos vivendo,o NAZISMO não valia como não vale nada,nada, pois eram EUGENISTAS,RACISTAS,mas o NAZISMO eram NACIONALISTAS, ao contrário dessa ABERRAÇÃO que alguns chamam de presidente,um LESA PÁTRIA,FANTOCHE, ENTREGUISTA dos recursos SOBERANOS do país.

  6. Para acabar com a raiva a única saída é matar —o cão–
    Tá na hora de acabar com a raiva.

  7. Algumas perguntas: porque ovos em vez de removedor e bucha de pano acesa, ovo é pra comer. Porque querem deixar tantas crianças órfãs.. quem mais adoece está ente 39 3 59 anos e adolescentes, então o exército já está preparando os asilos?

  8. “Ai, temos que tirar o PT urgentee senão o Brasil vai se tornar uma ditadura igual à Venezuela”. Bozomínions, 2018.
    O Bozo está, em menos de 1 ano e meio, fazendo exatamente aquilo que energúmenos acusaram o PT de tentar fazer e não conseguir em 14 anos.

    Agora pergunto para os colegas leitores (pergunta séria, não é de retórica); e nós, cidadão comuns? O que devemos fazer se até o STF está acoelhado (por medo de quê, será?) e o congresso aceita mansinho agressões e ameaças diárias?

  9. Já é hora de começar a se formar o grupo de parlamentares e juristas que irão comandar o nosso Tribunal de Nuremberg.
    E já podemos começar a lista dos condenados:
    aécio
    bozo, 01,02,03
    cúpula militar
    grande mídia
    alguns do STF

  10. Esse psicopata já está anos luz à frente da loucura total. Não tem mais volta, vai morrer afogado na própria insanidade.

  11. Dá pra fazer o mesmo raciocínio deles, invertido
    Com a pandemia, é inevitável que parte do comércio quebre, fazer o que
    Outros pequeno empresários virão, outras empresas serão abertas, substituirão as que quebraram, e novos empregos surgirão, vida que segue
    Melhor esses caras falirem que a gente morrer

  12. Acho que Bolsonaro está provocando conscientemente, ou intuitivamente, a sua própria expulsão, pois sabe que não tem a menor chance de dar certo. Não reeleito seu filho será inexoravelmente processado ( e até ele mesmo ), e sua derrota poderá levá-lo a ter que confessar o mandante do assassinato de Marielle.
    No fundo ele busca a saída do tudo-ou-nada. Sabe que não tem a menor chance de sair da encrenca em que se meteu aceitando ser eleito.

  13. A quantidade destes imbecis pode ser pouca mas o problema é que são classe merdia que dominam as redes sociais e fazem muito barulho além de ter uma grande mídia que os apoia e mesmo a que se diz contra o capitão apoia a sua política, então parece que o apoio que ele tem é grande. O pior de tudo é o apoio que este energúmeno tem nas forças militares e milicianos pois destes não sabemos o que esperar, ah sim sabemos que são uns loucos descerebrados e entreguistas.

  14. O que diferencia o alto estamento militar de outros estamentos do Estado brasileiro? Com exceção das armas e dos uniformes, nada, ou seja compartem com eles o mesmo adn a mesma folha corrida de desserviço ao povo brasileiro: não só nos faltaram nos momentos mais decisivos e dramáticos de nossa História como insistiram sempre em ser e em comportar-se como uma força de ocupação, uma força policialesca, uma espécie de “burocracia colonial” ou “funcionário de fronteira” a serviço de uma das oligarquias mais reacionárias, predatórias, corruptas e cruéis de todo mundo. Mas essa oligarquia sozinha não poderia manter seu domínio sobre o país se não contasse com auxílio luxuoso de uma “fina” camada social que aqui chamam de “classe” “média”. Nosso passado colonial e escravocrata conformaram e definiram o “trapézio social” que permitiu recrutar essa pequena e fina camada social e, vamos dizer a verdade, nunca faltou ou vai faltar trapezistas e acrobatas. Como não poderia deixar de ser em sua maioria são brancos descendentes de imigrantes que começaram a chegar ao Brasil principalmente no início do século passado. Em sua maioria os bisavós e avós da “classe” “média” vinham fugidos da miséria, da pobreza e da destruição das guerras na Europa. Apesar de tudo e por razões completamente alheias a sua vontade encontraram aqui um solo bastante favorável ao seu desenvolvimento: a maioria da população originária, negra e mestiça encontravam-se nas margens do processo de crescimento. Esse distanciamento e estranhamento social e econômico foi-se fazendo cada vez maior seja entre diferentes regiões sendo dentro de cada cidade do país. Esse país “europeu” (alheio por completo a realidade daquele velho continente) se parece de fato a “européia” África do Sul mas com um mais bem elaborado, camuflado e dissimulado apartheid social. Portanto, não deveria nos surpreender o fato de que toda vez que essas minorias sociais pressentem que esse seu mundo protegido de privilégios que eles deram para chamar agora de “meritocracia”, está minimamente ameaçado, acabam reagindo com toda a arrogância e prepotência que sempre que caracterizou aqui patrões, chefes e funcionários. E não medirão esforços para manter seu “negócio” em funcionamento. Se for preciso contrarar capangas, gangsters, torturadores, milicianos ou mesmo a ridícula familicia o farão. Se nada der certo “chama” os “militar” e os “pm” da velha escola. Que vergonha tucanalha canarinha, olha o que vocês pariram! Cretinos.

    1. O movimento tenentista não tinha uma proposta definida, mas estava claro que lutava por reforma radical no sistema político vigente, que jogou o país na ditadura retrógrada – e de certo modo medieval – da Velha República. Pelo menos ficou claro que lutavam pelo fim do voto de cabresto e pela instituição universal do ensino público. O jovem oficialato nacional revoltou-se em seguidas ocasiões e em diversos pontos do país, e terminou por desaguar da Revolução de 30, que inaugurou o Brasil moderno, voltado para um desenvolvimento econômico e social completamente construído pela ótica de um nacionalismo orgânico. Talvez aquele movimento tenha acontecido porque os jovens oficiais tenentes tinham uma visão de país mais larga que a elite bisonha, com uma tradição de orgulho nacional herdada do Império, e não suportaram mais a vastidão da corrupção e da univisão do compadrio paulistocrático. Se depois da guerra os militares se renderam às investidas pérfidas dos americanos, como fizeram os militares de tantos outros países periféricos, até à guerra ainda viam os estadunidenses como aliados de igual para igual, no combate ao nazismo. Exigiram altivamente compensações para fazer a aliança e conseguiram. É difícil compreender o que acontece hoje com os militares, quando muitos deles continuam a ver fantasmas de comunistas debaixo da cama, e outros parecem não ligar para nada.

    2. O movimento tenentista não tinha uma proposta definida, mas estava claro que lutava por reforma radical no sistema político vigente, que jogou o país na ditadura retrógrada – e de certo modo medieval – da Velha República. Pelo menos ficou claro que lutavam pelo fim do voto de cabresto e pela instituição universal do ensino público. O jovem oficialato nacional revoltou-se em seguidas ocasiões e em diversos pontos do país, e terminou por desaguar na Revolução de 30, que inaugurou o Brasil moderno, com ideias de justiça trabalhista vindas do castilhismo e voltado para um desenvolvimento econômico e social completamente construído pela ótica de um nacionalismo orgânico. Talvez aquele movimento tenha acontecido porque os jovens oficiais tenentes tinham uma visão de país mais larga que a elite bisonha, motivados pelas diversas reformas modernizadoras do ensino militar do fim do século XIX e início do XX, com uma tradição de orgulho nacional herdada do Império, e não suportaram mais a vastidão da corrupção e da univisão do compadrio paulistocrático. Se depois da segunda guerra os nossos militares, como fizeram os militares de tantos países periféricos, se renderam às investidas pérfidas dos norte-americanos, que abandonaram a cooperação respeitosa para se dedicarem à construção de uma hegemonia mundial incontrastável e avassaladora, até à guerra nossos militares ainda viam os estadunidenses como aliados de igual para igual, no combate ao nazismo. Exigiram altivamente compensações nacionalistas para fazer a aliança e conseguiram. É difícil compreender o que acontece hoje com os militares brasileiros, quando muitos deles, picados por algum inseto venenoso desconhecido, continuam a ver fantasmas de comunistas embaixo da cama, e outros parecem não ligar para nada.

      1. sabe que tenho dúvidas sobre essa raiz tenentistas e seu compromisso real com verdadeiras reformas ou ainda mais com reformas radicais. E se houve não deixou essas marcas de reformas ou radicalidades no presente ou em nossas instituições, no entanto asmarcas da brutalidade da força militar.a braço armado da plutocracia vejo em todas as instituições que deveriam ser os guardiões do Estado Democrático de Direito, esse luxo que nunca chegamos realmente tocar. Talvez você esteja se referindo e superdimensionando aquela diminuta franja de tenentes que formaram os primeiros partidos de esquerda no Brasil e estes são as exceções que confirman a regra’…..creio eu

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *