Bolsonaro é o que é. Nisso tem toda a razão

Em seu blog no UOL, Tales Faria conta que Jair Bolsonaro, antes os apelos para que cessasse a onda de provocações a Rodrigo Maia e aos parlamentares, teria dito: “Fui eleito sendo o que sou. Isso eu não posso mudar”.

É forçoso admitir-se que, nisso, tem razão o ex-capitão: é agressivo, autoritário, é um lobo solitário sempre de presas à mostra e à procura de uma presa, nunca tratou ou estudou questões de governo e jamais cuidou de formar alianças mesmo com a direita.

Foram estas características que lhe permitiram criar hordas crescentes de apoiadores, primeiro os adoradores da bala e, depois, com o o pensamento de ultra direita a espalhar-se após 2013, no reacionarismo crescente da classe média brasileira.

Mas Bolsonaro, de um simples tumor tolerado – ainda que crescente – só avançou para a metástase nacional que o elegeu com o apoio dos que o elegeram sabendo do que era, mas convencidos de que, no poder, seria “aculturado”, uma espécie de “Sexta-Feira” que, aceito pelos “crusoés” do mercado, deixaria seus hábitos canibais, seria dócil – embora exótico – e a eles serviria.

No mesmo engano caiu, de início, a maioria parlamentar, achando que a falta de base para apoiar-se levaria Bolsonaro a entregar-se com alguma doçura, aos seus caprichos. Mas o fez com reserva, aproveitando o que de menos inábil tinha – Rodrigo Maia – para presidir a Câmara e evitar que, como no Senado, elegesse-se alguém minúsculo como Davi Alcolumbre.

Por mais que Bolsonaro mostre o dentes, porém, a Câmara e Rodrigo Maia fugirão do confronto imediato. Sabem que o tempo joga contra Bolsonaro, não contra eles. Em menos de 12 dias completam-se os tais 100 dias de governo, os fiascos terão muitas vezes mais espaços que os parcos sucesso e novas pesquisas, a começar pelo Datafolha, darão mais algumas marretadas na demolição de sua imagem de “Mito”.

É de Bolsonaro, portanto, a pressa e a necessidade de radicalizar suas falanges. O tempo conta para ele como as pautas bomba contavam contra Dilma.

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on whatsapp
WhatsApp
Share on email
Email

4 respostas

  1. Notícia do RT.com: ‘Exército pede que o presidente Bouteflika seja declarado incapaz de governar após semanas de protestos’. Em vez de dar um golpe eles pediram ao congresso para declarar a incapacidade do presidente. E aí forças armadas na ativa, isso lhes dá inspiração para alguma coisa? Será o exército argelino mais inteligente que o nosso?

    1. BOM, FAZ SENTIDO! AQUI, DECLARAR A INSANIDADE DE BOSÓNARO NEM NECESSITA MUITO ESFORÇO! ELE FOI DEMITIDO DO EXÉRCITO, QUER DIZER APOSENTADO AOS 33 ANINHOS POR INSANIDADE MEEEEESSMO!
      MAS, O PAÍS SÓ VAI AFUNDAR…
      BYE, BYE, BRAZIL!

  2. “Em menos de 12 dias comletam-se os tais 100 dias de governo, os fiascos terão muitas vezes mais espaços que os parcos sucesso e novas pesquisas, a começar pelo Datafolha, darão mais algumas marretadas na demolição de sua imagem de “Mito”.

    Será que depois dos 100 dias Ciro Gomes assume algum Ministerio no Gov Bozo?A propósito:ele já voltou de Paris né?

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.