Bolsonaro é um caso de interdição, não de impeachment

À primeira vista, a legislação brasileira pune com o impeachment apenas os casos de crimes de responsabilidade e não se presta, ainda, para punir com a perda de mandato um presidente que, às escâncaras, comete o “crime de falta de responsabilidade” ao exercer o cargo que o povo, por artes da Justiça e da mídia, lhe confiou.

Talvez fosse  aplicável uma extensão política do Código de Defesa do Consumidor, ao lidar-se com o caso de alguém que cumula várias infrações: propaganda enganosa, produto defeituoso, riscos à saúde pública e “venda casada” de diversas bugigangas instaladas na Esplanada dos Ministérios. Aí sim, a Constituição prevê remédio: até dois anos depois da trapaça, devolve-se o voto e o lesado pode escolher um novo, de outra marca.

O precedente mais adequado, porém, parece vir de um pequeno país, que incomoda Bolsonaro por nos ter exportado, ano passado, três carretas de banana: o Equador.

Foi lá que aconteceu, há 23 anos, a história de Abdala Bucaram, o  El Loco aí da foto,  eleito presidente e, seis meses depois, interditado como mentalmente incapaz pelo Congresso. Bucarán fez, também, uma campanha onde prometia acabar com a corrupção, tinha um filho, Jacobo, mandando no Governo e acusado de desvios de verbas. Bucaram, ao menos, não fazia “arminhas”, fazia “dancinhas” em shows de rock e em programas de televisão e ficou 20 anos foragido da justiça equatoriana.

Certamente mais manso, o equatoriano era menos perigoso, porque o nosso El Loco flerta descaradamente com a memória do autoritarismo e não se furta a incitar os militares a se exporem em louvações ao que eles próprios sabem já não caber nos tempos atuais.

Não é possível fazer oposição ao governo Bolsonaro, porque não há como se falar que, neste momento, exista um governo no Brasil, o que ainda existe é uma máquina administrativa que funciona, ainda que mal, apesar dele.

Do que se trata é de fazer uma política de contenção de danos, evitando que ele possa até isso destruir e serenar os ânimos no sanatório geral que ele mobilizou, em cordões de fanáticos, porque os loucos são magnéticos.

Machado de Assis, há 130 anos, ensinou em seu O Alienista: é internar Simão Bacamarte e libertar todos os outros, porque loucura foi entregar o governo aos loucos.

 

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on whatsapp
WhatsApp
Share on email
Email

17 respostas

  1. GENIAL ! A crônica mais genial sobre o que estamos passando, inclusive porque o tom de piada nos ajuda a não enlouquecer junto com essa gente. É um paranóico para muitos psicanalistas. Alguns pensam diferente, acham que é um psicopata. Normal é que não vejo ninguém dizer que ele é.

  2. Também genial o paralelo com Bucaram. Mas acho que o juiz de piso é a cara do Simão Bacamarte.

  3. El psicopata que veste a faixa presidencial , ficará por lá enquanto os malandros não tiverem completado o roubo do Brasil.
    Ele acontece diariamente nas sombras ,nas páginas internas dos jornais ( quando aparece).
    O bolsotário é o imbecil colocado lá pra desviar o foco ,depois que o serviço acabar ,nada restará.
    Com certeza ficará a sensação de que a gente fora teclar nossas mâgoas e broncas ,nada fizemos.

  4. DEIXEM BOSÓ ONDE ESTÁ… E NEM SE PREOCUPEM!
    O FUNDO DO POÇO ESTÁ LONGE, LÁ NA CHINA!
    VAMOS CURTINDO ESSA SOFRÊNCIA DOLORIDINHA GOSTOZINHA POR QUATRO ANOS!
    PENA QUE OS GRINGOS INVESTIDORES ESTÃO CORRENDO COM O DIM-DIM DA BOLSA!
    E, NINGUÉM SE ESQUEÇA… A SIRENE NÃO VAI TOCAR! VISTAM OS COLETINHOS COR DE LARANJA E BOA SORTE!
    BYE, BYE, BRAZIL!

  5. Pera aí! Muita gente ainda apóia o “Mito”.
    Entrei ontem numa loja do bairro e o dono deu sua opinião sobre a ida ao cinema do Mito, mulher, Damares e tal: “Ele tem que aproveitar”!
    E o Lula preso? “Tudo certo”!
    Esse é a 3º comércio do bairro que não vê a cor da minha grana.

    4 anos de Mito, sim! Se não é pelo amor, é pela…

  6. Seu post, Brito, é simplesmente mais do mesmo. Simplesmente excelente, mais do mesmo sempre excelente ! Só que permita-me, humildemente, um senão : Simão Bacamarte internado problema resolvido, era só ele. Interditando Bolsonaro o que fazer com o restante ? Sem contar os explícitos, quantos dos 55% dos eleitores que o elegeram são sadios ? Muitas vezes o eleitor erra por ser enganado, o candidato o convence de que vai agir assim e depois age assado. Bolsonaro nunca, nunca enganou ninguém, sempre se mostrou como é, por inteiro. Como caracterizar alguém que lhe deu o voto ? Olhe, não sou vingativo, nem hiena, muito menos sádico, não desejo mal a ninguém e sou otimista Vejo algo de positivo no que acontece: “Somente a dor faz o espírito reconhecer os seus erros”. Minha dúvida é o quanto de dor que ainda é necessário para o reconhecimento do erro.

  7. O congresso sabe dessa história do Equador? Se não sabe devia saber. Trata-se de um precedente e tanto.

  8. Não há como descrever essa lambança continuada (pós Temer), de forma mais clara, mas uma pergunta precisa ser respondida: As fotças armadas do Equador ta.mbém aceito o sub-comando de suas tropas?

  9. Realmente não é o caso de impeachment, o que se aplica somente em caso de crime de responsabilidade, assim previsto na constituição, Por tanto, basta usarem o laudo médico que o afastou das atividade no exército, aliás, deveriam ter usado esse laudo antes das eleições, para impedir a candidatura desse porra-louca. A continuar assim, nas próximas eleições vão buscar um candidato do Hospício.

  10. Parabéns, muito bom texto, dos melhores, mais recentemente. É por isso que não saio daqui, porque sempre se tem a possibilidade de vir a encontrar um texto primoroso, numa análise bastante lúcida. Só não concordo com ainda tentar aliviar a barra dos milicus e das milicass em “em louvações ao que eles próprios sabem já não caber nos tempos atuais.”, que o grau de consciência que essa “gente” tem da realidade é o mesmo que têm débeis mentais… Fora isso, análise perfeita, num texto, como já disse, primoroso, cheio de saber, engenho e arte.

  11. Realmente um artigo genial mesmo , nunca tinha pensado por esse ângulo , o Bozo é caso de PROCON , não de
    impeachment.

  12. A globo colocou este idiota aí. Levou consigo a judiciário e os generais do cabide de emprego, nesta proposta para destruir o país. A globo já havia criado a lava-jato, agora completa com o bozo.

  13. Brincadeiras à parte. Não acho que nossa democracia esteja tão forte para resistir a mais
    outro Impeachment, mas é tão bom ver a resistência pacífica a programas
    de governo que não tem como objetivo o bem comum. Bolsonaro e seus
    aliados devem se lembrar que não governam para os poderosos, nem somente
    para os que os elegeram, mas para todo o povo brasileiro. Sua
    responsabilidade é grande, bem maior que frases soltas ao vento e
    escritas no twitter. Ele tem que se lembrar que as eleições já acabaram,
    é hora de começar a governar para driblar a crise que assola o país,
    esquecer de uma vez por todas os que o antecederam (sempre utilizados
    como subterfúgios), e assumir a gestão para a qual foi eleito.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *