Bolsonaro não quer apoio, quer medo

Só o derrotismo de gente que, diante das dificuldades, prefere adotar o “espírito do caramujo” e recolher-se em sua casca pode fazer com que Lula perca a eleição no segundo turno.

Socorro-me dos números finais tabulados pelo Tribunal Superior eleitoral, que indicam um total de 123,68 milhões de votantes, dos quais 118,2 válidos, isto é, em candidatos. Outros pouco mais de 5,4 milhões são a soma dos votos brancos e nulos.

Se metade de todos os brancos e nulos se converterem em votos válidos, teremos 121 milhões de votos válidos e 50% mais um voto deles serão 60,551 milhões o necessário para vencer as eleições.

Lula teve 57.259.405 votos e, portanto, faltariam para chegar àquele número perto de 3,3 milhões de votos.

Já Bolsonaro, com os 51.072.234 votos que obteve, teria de ganhar 9,5 milhões de votos.

Portanto, o ex-capitão teria de ter 72% dos votos que não foram dados nem a ele, nem a Lula.

A Lula, bastariam 28% destes eleitores.

Não é preciso dizer que é uma missão quase impossível para Bolsonaro.

Por isso, a estratégia bolsonarista, mais que a de ganhar votos, é a de tentar tirá-los de Lula.

Não se espante, por isso, com a informação, registrada em O Globo, de que Bolsonaro escala uma força-tarefa de pastores evangélicos para atacar o voto nordestino, amplamente pró-Lula.

O jogo sujo começa por aí, mas será acompanhado de mentiras e abominações.

Bolsonaro não quer apoio, quer medo.

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on whatsapp
WhatsApp
Share on email
Email

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *