Bolsonaro precisa da mídia e do ‘neocentrão’. De início, terá

Ninguém fique achando que as dificuldades previstas pela Folha, hoje, ao informar que Jair Bolsonaro não conta nem com a metade dos 513 deputados da nova legislatura e que, portanto, está a léguas de formar maioria para aprovar leis e a anos-luz de poder reformar a Constituição.

Diz levantamento do jornal que, ouvidas lideranças partidárias, conclui-se que o novo governo terá 229 deputados a acompanhá-lo em sua pauta econômica – ainda que não se saiba o que ela inclui, nem mesmo em matéria de privatização.

Terá mais, não apenas porque esta é uma tendência de governos que se instalam – e, por isso, preenchem cargos que rendem apoio parlamentar –  porque o ano legislativo certamente já se iniciará sob a pressão do punitivismo moralista de Sérgio Moro.

É cedo para prever o quão será forte este apoio, embora seja possível imaginar um encolhimento ainda maior dos ex-gigantes PMDB e PSDB e, talvez, rupturas no DEM, onde boa parte não quer nem mesmo a “semi-autonomia” com que sonham figuras como Rodrigo Maia e ACM Neto.

Não se sabe o quanto Bolsonaro, que começa hoje uma série de encontros com os partidos que, até agora, “esnobou”, está disposto a jogar pesado na eleição do presidente da Câmara. A tendência é de que não o faça, pois se sujeita a receber uma derrota como sinal do “queremos mais” dos deputados, inclusive dos da chamada “bancada evangélica”.

Também há problemas na “oposição”, onde é grande a tentação de seguir-se a linha idiota do “o PT precisa fazer autocrítica” como desculpa para o divisionismo e o adesismo à direita. Também não há, no campo da esquerda, lideranças que possam imantar as bancadas.

Minha intuição é de que está aberto o caminho para a formação de um “neocentrão”, mercadoria fluida e capaz de se autovalorizar, de boca aberta a esperar o momento em que o presidente eleito terá de descer do palanque e baixar ao pantanoso terreno da política real que, como se sabe, enlameia gente muito mais “limpinha”.

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on whatsapp
WhatsApp
Share on email
Email

8 respostas

  1. A auto-crítica dos pts que os MALANDROS pedem é pra trouxa engolir.Que os pts cometeram erros ,sem dúvidas.
    Dentre eles o de ter aceitado manter o toma lá dá cá para poder governar,mas ,este defeito tem a sua origem no povo sem consciência política.Vota num partido para presidente e elege maioria opositora no congresso.Qual a solução a este problema? ou vc entra no jogo para conseguir implementar a sua política ,ou vc denuncia o fato.Tinha Lula esse poder ? denunciar e posivelmente ter que renunciar para voltar nos braços do povo????Jânio já tinha tentado ,e se deu mal. Mas Lula teve a sua chance de chutar o balde ,quando a sua popularidade estava nas alturas,poderia ter feito isso com os simios fardados,com o sistema financeiro ,em fim ter avançado mais ,por que não o fez ?,porque ele é um conciliador,um político de centro ,não de esquerda ,não de confronto.
    O outro grave defeito foi o tal de “republicanismo” ,este foi um pecado de ingenuidade política grave.
    Mas a tal de auto-crítica que os mal intencionados pedem é o suicídio dos pts.
    O asno terá que descer do palenque ,ou acha que com ameaças aos fisiologistas conseguira governar?ele sabe disto muito bem,mama nas tetas do Estado faz 30 anos.

  2. Autocrítica é só para o PT? Quem muda de posição (partido) mais de seis vezes não faz? Partido cujo presidente manda matar o primo que arrecada o dinheiro não faz? Quem tem bunker com malas de dinheiro não faz?
    P…. não conseguem ferrar mais com o PT e querem que o PT se ferre sozinho (e tem petista indo na onda).

  3. Queria saber porque pedem tanto para o que o partido PT falar que é bandido ! A mídia vem jogando isso no ar 24 horas ! Falar mea culpa ! Os outros! Não tem mea culpa !

  4. Collor foi com Rosaninha e Claudia Raia para a Ilha Seychelles na Transição.
    Evidente que Bolsonaro embora tolo, não faria uma tolice extravagante dessa.
    Em contrapartida, não pode nem “descansar – sumir”, precisa de mídia todo dia, uma necessidade para dar sustentação a farsa que É …agindo assim, queima etapas, encurta sua lua de mel com o “pobre” do seu eleitor.

  5. qualquer prefeitozinho mixuruca q seja eleito forma fácil sua maioria pq o adesismo no Brasil é inacreditável. Até os governadores q de uma maneira ou outroa foram ajudados na eleição pelo nome de Lula podem se bandear para o outro lado.’Lealdade’ na política do Brasil é só palavra morta q habita a letra L dos dicionários. Dicionário q aliás tb ninguém consulta…..

  6. Á parte a luta política no campo da esquerda e os, vá lá, sociais democratas, que o jornalista aponta ao registrar com maestria a “linha idiota do ‘o PT precisa fazer autocrítica´ como desculpa para o divisionismo e o adesismo à direita’ “. Nesta afirmativa, um reparo: não tem nada de idiotice, trata-se de canalhice, coisa de filha da puta. Está difícil todos se aperceberem que estamos entrando no segundo governo do golpe de estado de 2016, que acaba de eleger debaixo de tudo que é falcatrua seu segundo ditador fantasiado de presidente, agora com todo aparato para seguir com as truculências, não só as de caráter judicial, mas na repressão às manifestações que possam ocorrer, tendo já à frente do novo Ministério da Segurança Pública, o maior justiceiro do país, o ex-juiz (?) Sérgio Moro. A luta parlamentar não será decisiva, embora importante. Tentarão por todos os meios impedir que o Parlamento escute o ruído surdo das ruas.

  7. Neocentrão já nasce com cheiro de velho. Trata-se do mesmo bloco pegajoso que golpeou Dilma e em seguida se recusou a passar a reforma da previdência do trambolho. E olhe que o trambolho não titubeava antes de abrir o feirão de cargos do governo.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.