Bolsonaro tem mais um problema: Trump despenca

Como se não bastasse o inferno astral do bolsonarismo, há mais um problema no horizonte para o ex-capitão.

Seu líder e guia genial, Donald Trump, a cada pesquisa, vai ficando para trás, como você vê na média das consultas feitas pelo site Real Clear Politcs, onde Biden abriu mais de 10 pontos sobre o atual presidente.

O The New York Times marcou uma diferença de 14 pontos – repetindo a distância registrada pela CNN no início do mês.

Pior ainda, considerando o sistema eleitoral norte-americano, onde os votos (e os delegados) são escolhidos por Estado, Trump está atrás em quase todos os que não têm definida tendência e que seriam decisivos nas eleições de novembro.

A pandemia do novo coronavírus, grande adversário de um Trump que não tem a menor credibilidade como comandante da batalha contra a doença é outra sombra em seu desejo de reeleição, porque uma nova onda de infecções está se desenhando.

Ontem, o país teve o maior número de casos detectados desde maio: 36 mil, o terceiro mais alto em toda a pandemia.

Bolsonaro, mesmo tendo Trump diversas vezes “esnobado” o Brasil, tem no presidente norte-amenricano seu único aval de peso (a Ucrânia, não conta, a não ser pela Sara Inverno) no mundo.

Da nuvem de gafanhotos nem é bom falar, porque o clima de sete pragas por aqui já anda demais sem isso.

 

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on whatsapp
WhatsApp
Share on email
Email

17 respostas

  1. E agora tem mais o livro do Bolton, contando todas as pataquadas trumpescas, ao ponto do republicano Bolton dizer que vai votar no Biden, pois não pode cometer o mesmo erro de novo.
    Hoje à noite tem uma entrevista arrasadora com ele na CNN, e a certeza de queda de mais uns 5 a 10 pontos.
    È melhor o sargento JAIR redigindo um texto com as suas 60 palavras, explicando a sua RENÚNCIA.

    1. Você quer dizer pedir a seus assessores pra redigirem uma nota de renuncia, pois, ele nem escrever sabe.

    2. Pena que a Koko morreu em 2018. O vocabulário dela era maior do que o do estafermo e ela saberia escrever um documento sem “isso daí” e “taoquei”. Pensando bem, Koko seria uma presidente infinitamente melhor e mais humana.

    3. O problema é: A esquerda americana aprendeu a lutar contra o Trump. Será que vai saber lutar contra o Biden?

  2. OO Bozó é realmente Pé frio, vejamos:
    1º Foi a tragédia de Brumadinho
    2º Foi a queimadas na floresta Amazônica
    3º Óleo derramado na Praias do Nordeste
    4º Coronavírus grassando de sul a norte (sem vacina)
    5º A não reeleição do seu líder (Trump)
    6º Avisem pro Bozó que está se aproximando uma nuvem de gafanhotos advindo da Argentina.
    Socorro, vou mudar pro Paraguai. Vai ser pé frio na PQP!

    1. Não é questão de azar.
      Um abismo atrai outro. “Abyssus abyssum invocat.”
      Coisa ruim atrai coisa ruim.

  3. Que desabe Trump, que afunde e vá para o quinto dos infernos. E leve com ele o infame, o maldito, o inominável Bolsonaro. Que ambos vão para a pqp, deixem o Brasil e o mundo em paz. Não que Biden seja esperança para o mundo, ou que o Mourão o seja para o Brasil, mas pelo menos ficaremos mais distantes da barbárie completa.

  4. Gafanhotos bíblicos estão entre nós há tempos. Os de verdade chegaram pracabar com os pés de feijões mágicos.

  5. O Idid Amin Dada alaranjado, apostava todas as fichas na sua base de apoio ensandecida (branca/racista, evangélica e rural). Organizou aquilo que alardeava como um grande ato de início da campanha em Tulsa, Oklahoma (marcada inicialmente para o juneteenth (19 junho) – adiada para o dia seguinte por causa das pressões mesmo do partido republicano).
    Era para ser o retorno triunfal do bufão. Desafiador, dizia que não solicitava o uso de máscaras, mesmo o evento estando marcado para um ginásio de esportes (fechado), com capacidade para 19 mil pessoas e que anunciavam estar com tickets reservados para lotação plena, num estado onde o Covid-19 está acelerando bastante. Alardeava que além daqueles dentro do ginásio haveria uma concentração no estacionamento com 40 mil confirmados. E, ufanisticamente, alardeava os mais de um milhão de bilhetes solicitados de todos os cantos do país. Tudo isso podia ser confirmado no site da organização do evento. Estava lá documentado. Mas havia um porém.
    O ato foi um fiasco, com apenas 6200 presentes dentro do ginásio, e foi tudo. Na chegada a Tulsa ordenou que o avião desse um rasante para levantar o moral da multidão que esperava avistar se acotovelando na parte externa. Nadica. Antes de o avião pousar, o evento externo já havia sido cancelado.
    Chegando ao local, o ginásio estava esvaziado. O bufão está furioso, babando. Dizendo impropérios contra a esquerda, os anarquistas, o movimento negro. Foram estes que organizaram o afluxo maciço de pessoas ao site de organização do evento e reservar os ingressos para as partes interna e externa do ginásio, deixando os trumpistas sem ingressos.
    E não compareceram, claro. Além disso induziram-no a alardear que mais de um milhão de pessoas queriam comparecer ao ato e que isso era demonstração do apoio que tinha do povo americano. Micou.

    Para aumentar a fúria dele, passaram a postar desculpas hilárias e desmoralizantes do por que não haviam ido ao ato mesmo tendo os ingressos. Virou chacota. Ouvi uma jovem dizer na CNN, que tinha 2 ingressos, um para ela e outro para o namorado, mas que não puderam ir pois tiveram que comparecer ao enterro do cachorro.
    O cara aloprou. Está espumando de furioso.
    A situação dele está tão ruim que até um peso-morto como Biden abre boa vantagem.

  6. Brito acho ótimo, mas qual é a sua opinião? Você tem uma tremenda mediunidade ostensiva jornalística. O colégio eleitoral lá é complicado. Nas última eleições ele perdeu em votos e ganhou no colégio.

    1. A imagem abaixo mostra a situação por estado. Os estados marcados em cor caqui são o fiel da balança. Trump precisa vencer na Florida; se perder, já era, se ganhar, ainda assim precisará de uma combinação de resultados em três ou quatro outros estados onde a disputa permanece incerta. Veja o link a seguir para entender. ? https://www.270towin.com
      Lembrando que na Georgia, Ohio, Iowa e Texas, seus índices de aprovação andam negativos diante da desaprovação, isto não significa automaticamente resultados eleitorais positivos para seu adversário, mas indica uma situação de disputa acirrada e risco efetivo de derrota.
      https://www.270towin.com/maps/N4GVQ.png

  7. Percebe-se claramente que o poder do Alexandre de Moraes – por tabela, do STF – supera em muito o poder do Ex-Ecutivo (Ex- de Exército e ex- de ex mesmo). Preocupado com as altas temperaturas no Sudeste em pleno final de julho, resolveu liberar o (a) winter nazi-germânico do hemisfério norte brasileiro (criação pasquiniana do general – não médico generalista – sem saúde mental Pazuello)… com tornozeleira domiciliar!!! O inverno compartilhará a quarentena conosco!

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.