Brasileiro sonegador vira “investidor estrangeiro”

dolarmiami

Está no Valor.

Enquanto a Receita Federal vai de pata em cima dos pequenos – veja aqui a ofensiva – com os grandes a conversa é mole.

A receita estaria “conversando com os bancos” porque detectou “”fortes indícios” de fraude tributária envolvendo alguns investimentos de não residentes no Brasil. “Vários investidores podem ser – na verdade – brasileiros em busca dos benefícios fiscais concedidos a estrangeiros que aplicam no país.

Qual a vantagem? Como “investidores não-residentes” escapam do Imposto de Renda e do Imposto sobre Operações Financeiras que os botocudos daqui têm de pagar quando investem.

Basta um atestadozinho facilmente fraudável e pronto.

É pouca gente? Um fiscalização  da Receita mostrou que,  “em uma amostragem de mil contribuintes declarados como não residentes, com recursos em duas instituições financeiras e em um grupo específico de veículos de investimento” encontro “apenas” todos os mil sem comprovação suficiente de residência no exterior.

Mas como a Receita é boazinha com a turma da sonegação, eles podem  recolher o imposto com uma alíquota punitiva de 35% (para nós, mortais, quando cometemos um erro, chega a 150%) . “Segundo a Receita Federal, uma opção para a regularização é o Programa Especial de Regularização Tributária (Pert), o chamado Refis, cujo prazo de adesão terminava amanhã, mas foi estendido até novembro, como forma de Michel Temer conseguir votos na Câmara.
contrib1

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on whatsapp
WhatsApp
Share on email
Email

8 respostas

  1. O Banco Central do Brasil não está tão inocente nesse assunto.A Receita Federal é como camaleão está sempre mudando de cor ou de mascara.A questão central é a de que o sistema interno de controle deve continuar tutelado pelos banqueiros ou poderosos.É por essa razão que se luta para restaurar o estado democrático de direitos, embora essa atitude seja combatida em off pela direita corrupta e abutre existente na população do país.

  2. Há 30.000 aplicadores nessa situação, os bancos estão encontrando dificuldade em identificar os aplicadores (?) , e a receita quer ter muita cautela para não gerar pânico no mercado financeiro. Quando no Brasil se demite milhões de trabalhadores, causado pela lavajato, aí não há pânico ao empregado e sua família, que vão vender bugiganga nos semáforos. Esse é o Brasil, as instituições de estado protegendo o sonegador ( como fizeram com a lista do HSBC com conta no exterior) e ferrando o trabalhador

  3. Os bancos que atuam no Brasil, brasileiros ou não, atuam como “policiais de fronteira” em um negócio que eles chamam “onoff”. Em que consiste esse negócio? Estes “banco locais” possuem contas de não residente (eram conhecidas como 2689 em referência a circular do Bacen que regula seu funcionamento) e através delas abastecem os clientes externos (outros bancos, fundos de investimentos e clientes que estão fora do Brasil) com um pacote de produtos financeiros com risco na moeda local mas liquidadas fora do Brasil em dólares ou em euros. Isso permite “vender” “Brasil” (taxa de juros brasileiras, proteção cambial e outras possibilidades de negócios e de arbitragens que tenha por meio qualquer referência o real brasileiro). Na conta local os donos dessas contas em reais compram e vendem títulos públicos e derivados na BM&F que cobrem os custo das vendas dos produtos financeiros entregues fora das nossas fronteiras. O problema fiscal desse negócio é que enquanto essas contas não são encerradas seus proprietários não precisam pagar impostos no Brasil, passa o mesmo com muitos fundos brasileiros que servem para viabilizar estes e outros produtos financeiros que enquanto não são resgatados não pagam tributos pela regra de tributação aplicadas para os fundos de investimentos. O que a maioria das pessoas não sabem é que esses “traders” que literalmente “militam” no mercado financeiro, foi um dos primeiros e mais bem organizados e radicais, quase seita, que promoveram o golpe de estado.

  4. FB, acho que a SONEGAÇÃO dá da 1000 x 0 na CORRUPÇÃO…!
    Já pensou se buscar a nível municipal, estadual e federal…?

  5. Esse golpe é velhíssimo, mas “não veio ao caso” na investigação do Banestado. Os ricos mandavam para fora via doleiros o dinheiro de caixa-2 (sonegado) para offshores e as offshores aplicavam no Brasil ganhando os juros abusivos, livre de impostos retidos na fonte, e com os rendimentos remetidos de volta para a offshore no exterior. Um HD do Opportunity tinha uma planilha com o nome de brasileiros residentes no Brasil que aplicavam clandestinamente em um fundo estrangeiro do Opportunity e o fundo aplicava no Brasil como se fosse “investimento estrangeiro”, mas essas provas foram anuladas pelo “glorioso” STF ou STJ ou os dois, não me lembro bem.

  6. Olá Brito. A informação do adiamento do Refis já é oficial? Temer já conseguiu os votos que precisava dos “Isentos” de sempre. Onde foi divulgado isto?

  7. Ai ai ai…Brasil 518 anos que a elite maconica burguesa dita as regras para o gado escravo que só serve para construir as pirâmides da maçonaria, Constituição, estado democratico de direito, STF é só para manter a fortuna e os privilégios da burguesa casa grande.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *