Calote nos precatórios e Fundeb: não combinaram com os russos

No Brasil, um “mercado” de nariz torcido vale muito mais que uma multidão esperneando.

Em pouco mais de 12 horas já ficou claro que a proposta de tirar recursos do pagamento de precatórios para financiar o “Renda Brasil”, como se diz na gíria, “babou”.

Como do Fundeb há pouco que tirar – e já não ia ser fácil reverter uma decisão de aumentá-lo que tem pouco mais de um mês e que contou com a quase unanimidade do Congresso – ficou claro que a “pedalada” em cima das dívidas da União – grande parte dela com aposentados, pensionistas e funcionários – reconhecidas em juízo seria de grande porte, algo como R$ 38 bilhões.

A natureza alimentar de parte dos débitos serve de boa cobertura política para a parte que assusta de verdade: as contas a acertar com empresas, que, essa sim, merece o nome de “calote” que recebe hoje da mídia.

Como se antecipou ontem, a legalidade das chicanas usadas pelo governo para aumentar despesas fingindo que não rompe o teto de gastos já passou a ser fortemente questionada, mas é possível que nem isso seja necessário.

A ideia “genial”, está ficando claro, não tem apoio no Congresso para obter o quorum de aprovação necessário a emendas constitucionais.

A turma do Paulo Guedes vai ter de voltar às pranchetas para imaginar outra saída, porque essa, ao que tudo indica, já se foi.

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on whatsapp
WhatsApp
Share on email
Email

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *