Câmara terá “batalha das armas”. E Maia é quem tem o “trabuco legislativo”

Caiu de presente no colo de Rodrigo Maia.

O parecer da assessoria técnica da Câmara afirmando que vários artigos do decreto que liberou o porte de armas para milhões de pessoas, em potencial, são flagrantemente inconstitucionais é, para o presiente da Câmara,  a chance de aplicar um duplo constrangimento: a Jair Bolsonaro e a Sérgio Moro.

Ao primeiro, óbvio, porque é o homem da “arminha”, do “metralhar os petralhas” sujeitar-se a perder uma votação no parlamento de maneira acachapante, sem o apoio que tem da imprensa e do “mercado” que tem em temas como a reforma da Previdência.

Ao segundo, porque coloca-o no dilema de expressar sua discordância do presidente, perder seus apoiadores na extrema-direita e sofrer o que não lhe foi feito desde o início da Lava Jato: ser criticado direta e abertamente, sob a aprovação quase total da opinião pública.

Maia não poderia querer melhor. Quem tem o tempo do duelo, quem determina a hora de sacar, quem tem a chance de somar centro, esquerda e até parte da bancada evangélica é ele.

A reação da Câmara não vai demorar, pode apostar. E Moro será o primeiro a ser levado ao espeto.

 

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on whatsapp
WhatsApp
Share on email
Email

8 respostas

  1. Pelo menos os russos continuam firmemente repudiando o nazifascismo. Nas comemorações do Dia da Vitória, quando o Exército Vermelho derrotou o nazismo, milhares de pessoas saíram às ruas não só para homenagear as vítimas russas da agressão hitlerista (cerca de 25 milhões de pessoas) mas para demonstrar publicamente seu repúdio aos crimes do nazifascismo:

    https://youtu.be/zk5hb0KXFbg

  2. Moro dizer que não foi consultado a repeito do decreto . Balela pura , ele disse amém . Ele recebeu uma ligação …” tó divulgando o projeto Taloquei ” . Sinal de ocupado a linha caiu ..

  3. Começou a Guerra! Começou a segunda etapa da guerra para a implantação definitiva da ditadura olaviana/lavatista do Brasil! Uma juíza de Brasília, em um lance escandalosamente demagógico e midiático típico de seu partido político lavajatista, bloqueou a licitação de alimentos para o Supremo Tribunal Federal porque havia itens como bobó de camarão e um bom uísque. Ela se arvorou em defensora do dinheiro público do país em tempo de crise, mas não determinou que o dinheiro da licitação fosse distribuído entre os desempregados de Brasília, como era de se esperar. Ela quer que os ministros comam apenas feijão com farinha e carne de jabá, e tomem apenas aquela cachaça grosseira do Paraná. Esbaldam-se os que querem ver o Supremo ser desmoralizado perante os ignorantes que sustentam politicamente o partido da juíza. É um ataque direto, frontal, da Lavajato à Suprema Corte, procurando intimidá-la e direcioná-la politicamente usando de estripulias midiáticas. Ou, quem sabe, este lance talvez seja mesmo muito sério, e preceda a chegada do jipe com os dois soldados, o cabo e o filho. Se o Supremo não reagir de imediato, vai ter que entregar a chave ao cabo. Acordem, generais!

  4. Parece mentira vivermos o que estamos vivendo.
    Alguém tem que pagar por isto ,não é possível tamanha insanidade no gerenciamento da coisa pública,passar batido.

    NÃO PODE HAVER ANISTÍA CONTRA OS CRÍMES QUE ESTES DELINQUENTES ESTÃO PRATICANDO COM A OUSADIA E A DESFAÇATEZ DE QUEM NADA ESPERA DE CASTIGO.
    NÃO PODERÃO FICAR IMPUNES ,SOB PENA DE AO NÃO TRANCAR A PORTA DO INFERNO, ESTES VERMES ,RATOS DE ESGOTO,OUSAREM QUERER O PODER NOVAMENTE.

  5. Conheci um senhor suíço que afirmou que lá, quando jovem, tinha um fuzil em casa (afinal, a Suíça não tem um exército institucionalizado – todo cidadão é um “soldado”).

    Ele afirmou que liberar armas não daria certo no Brasil, e era contra.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.