Câmbio, a R$ 4,04, e Bolsa têm piores índices do ano.

O dólar, pouco antes de 16 horas, bateu em R$ 4,04. A Bolsa, minutos tepois, cravou a mínima de abaixo dos 90 mil pontos. Já vinha em queda e ganhou o “empurrão” de mais um iminente risco em barragem da Vale.

São os piores indicadores desde o primeiro dia útil do ano.

Não havia “razões externas” para usar como justificativa: o índice Dow Jones, da Bolsa de Nova York, naquele momento, subia quase 1%.

Também não é só pessimismo com a situação econômica do país, porque isso vem entrando nas contas dos investidores desde o início de março.

É o mercado financeiro se preparando para o “barata voa” político que está se afigurando.

Jair Bolsonaro conseguiu dar ao PT uma força que o partido já não tinha, ao dizer que só viu “faixas de Lula Livre” nas imensas manifestações de ontem.

O capitão leva o barco já estropiado para o meio da tempestade.

Quer que o medo reforce a autoridade que não consegue ter.

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on whatsapp
WhatsApp
Share on email
Email

13 respostas

  1. Talvez eu esteja sendo precipitado, mas nunca é demais pensar como que se poderia adaptar para os novos tempos o destino em praça pública que tiveram Mussolini e Clara Petracci.

  2. Além dos seguranças, havia em Dallas seis indivíduos com camisa amarela, se posicionando diante dos manifestantes anti-bolso. Não se sabe se faziam parte do pacote contratado pelo evento. O Bolso gaguejava ao pronunciar suas infelizes sentenças. Parece que tinha dúvidas sobre o que havia decorado.

  3. A Globo já rifou Boçal Nato.

    Temos que tomar cuidado para que ela não “sequestre” a pauta da insatisfação popular e ponha um ditador que é “vaselina” e submisso ao mercado financeiro no governo (Mourão).

    1. Cuidado. A Globo, depois do Joesley e do “tem que manter isso aí” tentou rifar o governo golpista e ilegítimo Temer. A turma da bufunfa bancou (e isso não é só força de expressão) Temer, enquadrou os tucanos e ordenou que todos estivessem juntos na eleição de 2018. Bolsonaro ainda não era o Plano B, mas junto com Alckmin, Meirelles e a própria Marina compunham o que o Mercado chamava das candidaturas pró business, pró reformas, isto é, pró golpe. No final os banqueiros e as corporações falam mais alto que as famiglias da comunicação.

      1. E Mourão é perfeito para isso. Com sua pose de ponderado e sensato (leia-se “ditador-vaselina”) a banca incumbirá o PIG de vender ao país um falso consenso, enquanto a retirada de direitos da população e a privataria seguirão em marcha acelerada.

        É por isso que – por mais louco que possa parecer – prefiro o desastrado Boçal Nato na presidência.

      2. E Mourão é perfeito para isso. Com sua pose de ponderado e sensato (leia-se “ditador-vaselina”) a banca incumbirá o PIG de vender ao país um falso consenso, enquanto a retirada de direitos da população e a privataria seguirão em marcha acelerada.

        É por isso que – por mais louco que possa parecer – prefiro o desastrado Boçal Nato na presidência.

        1. Não vamos nos enganar. Se o Bozo tomar um golpe, a base de Mourão seria 1/3 ou menos da base bolsonarista. Seria, quando muito, o lavajatismo, que já não empolga mais ninguém. Teria um momento de euforia, mas manteria o cofre fechado e isso é o que está causando a crise.

          1. Pode ser, embora tenha minhas dúvidas.

            Acho que Mourão só perderia apoio entre os doidos olavistas (desculpe o pleonasmo).

            O pragmatismo levaria o centrão a se aproximar do general, com a benção do mercado e do PIG.

    2. Esse perigo é real. Principalmente porque a globo não tá recebendo a deliciosa verba pública do governo federal, então eles querem alguém que faça tudo voltar aos velhos tempos, de preferencia ferrando ainda mais o povo.
      Se não Mourão, Maia. Se não Maia, Moro. Qualquer um.

  4. A argumentação de que “só haviam esquerdistas” ou a pauta era tão somente “partidarizada”, infelizmente, está tomando boa parte das redes sociais através dos robôs conscientes e radicais do núcleo duro de Bolsonaro.

    Ao navegar pela timeline do FaceBurro, observo um número relativamente reduzido, mas muito barulhento, de amigos e familiares que espalham, desde ontem, memes e fotos pretensamente relacionadas às manifestações.

    Como se todos os participantes fossem os malvados “comunistas” e/ou “petistas” (que pra essa gente, é tudo a mesma coisa), e única pauta fosse Lula Livre e não houvesse sequer menção aos cortes no sistema público de ensino.

    Criticar Bolsonaro, em uma manifestação contrária a um contingenciamento que foi feito pelo seu governo, se tornou um exemplo de “militância partidarizada”. Aliás, é como se movimentos sociais, partidos e sindicatos que, participaram dos atos, fossem proibidos de estarem ali. Ou de apoiarem a organização dos protestos.

    Uma pergunta que não quer calar, faço a estes “paladinos” das redes sociais:
    As manifestações contra Dilma, foram conscientes, apartidarias e sem participação majoritária de grupos de direita? Era algum crime, que esses grupos tivessem participado, com suas pautas conservadoras?

  5. A que extremo chegaremos para haver mudanças verdadeiras que a paz social e o desenvolvimento sem miséria sejam aceitos? O PT cederá e aceitará uma nova carta à nação? Haverá regulamentação dos meios de comunicação? As FAAs voltarão ao profissionalismo que a CF lhe impõe? O Judiciário voltará aos limites jurídicos e constitucionais? O Legislativo…bem esse é escolhido por nós…Sem mudanças ( que dependem de nossa mobilização), e punição EXEMPLAR dos conspiradores subversivos, os golpes voltarão a se repetir e tudo será novamente destruido.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *