Carga tributária é para o lombo do pobre

isen

Adriana Fernandes e Idiana Tomazelli, no Estadão, na matéria em que mostram o absurdo da isenção de imposto de renda, que livra da tributação algo em torno de 30% da remuneração recebida pelos juízes brasileiros, dão outras informações muito mais importantes para entender-se a distorção da remuneração do Judiciário brasileiro.

“Em 2016, cada juiz, procurador, ministro ou conselheiro de tribunal de contas do País recebeu em média R$ 630 mil, sendo cerca de R$ 180 mil livres de qualquer tributação.”

Deixe de lado o escândalo que é tal grau de isenção e veja: descontadas férias e 13°, significa que cada um deles, em média, recebeu o dobro do teto constitucional de R$ 33 mil. Com IR ou sem IR, não há o que o justifique, a menos que se assuma que é letra morta o limite remuneratório da Constituição.

E mais:”Esses servidores representam menos de 1,0% dos 4,8 milhões de funcionários públicos no Brasil, mas recebem R$ 6,4 bilhões em rendimentos isentos – 10,7% do total de R$ 59,7 bilhões livres de tributação declarados pelo funcionalismo”.

Um retrato aterrador num país onde os impostos indiretos – pagos por todos e, neste todos, quase todos pobres – são o grosso da tributação.

Guardando as proporções que o gráfico publicado pelo jornal indica, não é despropositado dizer que está nesta e em poucas outras carreiras uma parcela escandalosa dos gastos remuneratórios brasileiros, embora o que a mídia faça, em geral, seja investir contra os de baixa remuneração, em nome da “excelência” dos servidores especializados.

E estes, claro, apelam para a “meritocracia” para justificar isso.

A reportagem passa, claro, pelas hipócritas justificativas dos magistrados de que os “penduricalhos” que geram este nível de isenções são um “complemento salarial” aos mal remuneradíssimos juízes brasileiros e chega, ao final, a outro escândalo que, mais cedo ou mais tarde, há de estourar, mesmo que dele se saiba há anos.

Fora do serviço público, proprietários de empresas ou de firmas individuais (os PJs) tiveram isenção ainda maior, de 61,6% da renda total, pelo recebimento de lucros e dividendos. O chefe do Centro de Estudos Tributários e Aduaneiros da Receita Federal, Claudemir Malaquias, explica que a expansão do Simples, contribuiu para o aumento das isenções desse grupo, já que profissionais como médicos e advogados passaram a atuar como pessoas jurídicas pelo Simples.

É a “carona” que os profissionais liberais  – e nem tão liberais assim, porque boa parte é prestador de serviços regular e permanente de empresas – tomaram na legislação que fomenta a pequena empresa no Brasil, algo cujos limites foram sendo elevados de forma absurda e representam não apenas uma injustificada isenção a quem pode pagar mas, sobretudo, a necessidade de arrancar mais do que o aceitável de quem já nem mesmo tem capacidade de contribuir.

 

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on whatsapp
WhatsApp
Share on email
Email

22 respostas

    1. Esses são o topo dos servidores. A elite financeira, quem realmente manda nesses janotas que se acham grande coisa, a elite anônima que não aparece, consiste de 67 mil pessoas, o mais pobre com renda anual de 1.600.000 reais e que em conjunto faturam 390 bilhões ao ano

  1. … Tentei acessar a seção ‘Fale Conosco’, e *”dar erro”
    [*CONTATO
    contact-form-7 404 “Not Found”]

    Permito-me, portanto, reiterar:
    Ínclito e impávido jornalista Fernando Brito, respeitosamente, gostaria de encaminhar algumas humildes sugestões ao senhor.
    O conspícuo blog ‘Tijolaço’ poderia criar uma seção ‘entrevistas’.
    O jornalista Fernando Brito faria entrevistas com personalidades do campo da esquerda: intelectuais, políticos, artistas…
    Em paralelo, o blogue faria uma campanha no sentido de criar a categoria ‘sócios do Tijolaço’!
    As mensalidades dos sócios ajudariam a manter e dinamizar este notável espaço democrático!
    Ao atingir certa viabilidade financeira, o senhor poderia contratar um técnico para colaborar na produção de vídeos:
    entrevistas conduzidas pelo jornalista Fernando Brito; análise de fatos políticos; dicas literárias, musicais e de cinema; bate-papo com internautas, enfim.

    Respeitosas saudações democráticas, progressistas, civilizatórias e nacionalistas,

    Messias Franca de Macedo

    NOTA: June, câmbio!
    Risos!

    1. O grande líder José Dirceu, “guerreiro do povo brasileiro”!
      Em breve, a [verdadeira] história do Brasil terá que se redimir perante a este emérito e impávido brasileiro!

      ***

      ZÉ DIRCEU: SABE POR QUE VOCÊ PAGA OS JUROS MAIS ALTOS DO PLANETA? PORQUE OS BANCOS MANDAM
      https://www.youtube.com/watch?v=0pWKfG-oLGo

  2. Alerta aos amigos, a globo voltou à carga forte contra o pt. O crescimento nas pesquisas (e eu duvido que os números divulgados correspondam à realidade, acho que estamos ainda mais fortes) está incomodando mais do que o normal. Reportagem no Fantástico de ontem deu o tom de sempre, culpar o pt por tudo, principalmente por tudo que eles fizeram. Precisamos nos unir mais e reagir. Proponho atos simples, frases curtas e pegajosas a serem divulgadas nas redes sociais (e quem puder fazer, em adesivos, camisetas e outros meios), do tipo – A GLOBO NÃO É CONTRA O PT, A GLOBO É CONTRA O BRASIL! – e por aí vai. Convido quem quiser me seguir no face, mantendo contato via messenger (por questões de segurança, não faço amizades no face e apago as conversas depois de alguns dias, agradecendo a compreensão, pois já sofri perseguição profissional por conta de minha posição política).

  3. Falando em SIMPLES, uma coisa que não vi jornalista algum abordar é que um advogado pode constituir um PJ e pagar 4,5% pelo SIMPLES, se receber até R$ 180.000 (já incluído IRPJ, PIS, Cofins, ISS, CSLL), enquanto que como PF pagaria 27,5%. Essa é a justiça da profissão essencial à Justiça, equiparando-se às indústrias, construtoras e empresas de serviço de vigilância e limpeza, diferentemente dos demais profissionais liberais como os próprios jornalistas, psicólogos, contadores, dentistas etc, que como PJ pagam, pelo SIMPLES, 15,5% – considerando os mesmos 180.000.

  4. Nao entendi, Eu sou aposentada do MEC e desconto 27,5 na fonte e desconto 12 para a previdência que nunca irei usufruir. Não entendi essa isenção. Ou sejam recebo menos 39,50 a menos, o que torna meus proventos quase 40% menores do que são. E Temer ainda quer elevar esse desconto para 14¨%. Junte a isso o plano de saúde e já viu,

  5. Alô coxinha: não é para pagar bolsa família/sustentar vagabundos que você que é trabalhador (alienado) para imposto não

    1. Mas isto foi o que os coxinhas sempre disseram: ninguém é contra pagar Bolsa Escola (que o Lula mudou o nome para Família). O problema é que o dinheiro dos impostos sustenta mordomias e corrupção.

      Quem mentia que o dinheiro era bem aplicado em programas sociais era o PT. Ou você acha que foi o Temer que criou essa situação?

  6. Taí uma das principais razões da extrema desigualdade, dos privilégios, das injustiças e da violência no Brasil! É a versão moderna do coronelismo na República Velha.

  7. Na minha cidade São Lourenço PE estive numa consulta em 04/10/17 pedi recibo e pra minha(kkk) supresa foi de num 77,ou seja poucos pedem recibo

  8. Dizem que o inferno está repleto de bem intencionados, para estes foi criado o Simples, que de quebra galho para melhorar a arrecadação, virou plataforma para sonegação.

  9. 600 mil por ano é o rendimento de poucos empresários que recebem isso porque dão ganhos maiores as suas empresas. Se não derem vão para a rua no outro dia.

  10. Por que pagamos os juros mais alto do mundo sem nenhuma contrapartida? qualquer empréstimo o banco lucra 30% em cima do consumidor , cheque especial, cartão de crédito com juros acima de 300% ao ano. È um assalto, por isso querem acabar com a Caixa , banco do Brasil ( que elevaram os juros) e BNDES. Colocaram o povo brasileiro nas mãos dos agiotas.

  11. Os ricos e empresários gastam uma fortuna em suas campanhas nas eleições para convencer a classe média que o Estado é ineficiente e que eles irão acabar com os impostos e reduzir o tamanho dos Estado, etc… Quando eleitos, (empresários e ricos são a maior proporção do congresso) eles reduzem a carga tributária sobre si e a joga pra cima da classe média, que na maioria da vezes recebe por contracheque ou por recibo de prestação de serviços, e não conseguem fugir da tributação.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.