Chefe da Marinha diz que Venezuela não é responsável por óleo

Depois de uma reunião com o presidente em exercício, o comandante da Marinha, almirante Ilques Barbosa Júnior, colocou um ponto final na história de que a Venezuela é a responsável pelo vazamento de petróleo que chegou à costa nordestina:

“O que se sabe pelos cientistas é que o petróleo é de origem venezuelana, não quer dizer que houve em algum momento, e não houve isso, envolvimento de qualquer setor responsável tanto no público quanto no privado na Venezuela”.

Fim do papo-furado que até agora vem sendo utilizado pelo Governo, o de disfarçar sua falta de resposta operacional com acusações “ideológicas”.

É obvio que o petróleo veio de uma embarcação e faria o mesmo – ou maior – estrago se fosse árabe, texano, mexicano ou colombiano. Maior, digo, porque se não fosse um petróleo pesado, mas leve, e emulsionado pelo tempo que ficou no mar, não estaria nesta consistência pastosa que permite que seja retirado em placas.

Mas o almirante também nos mostrou que não há, até agora, foco nas investigações sobre qual foi a nave que lançou aquela imundície ao mar. Diz ele que estão sendo investigados 30 navios que passaram “próximo à costa brasileira” e admitiu que há 970 outros que poderiam ser a origem do vazamento, fora os “dark ships”, navios sem identificação.

Portanto, mais de mil navios, o que é a mesma coisa que nenhum, em matéria da apuração de responsabilidades.

Tanto que o almirante disse que os responsáveis serão encontrados, nem que leve 200 anos: “se demorar 200 anos, vamos ficar 200 anos nisso até achar”.

Há fatos objetivos que não estão esclarecidos, como a origem dos barris da Shell encontrados nas praias e claramente identificados, com número de lote e data do envasamento. Até agora não se tem o nome do comprador e, menos ainda, a informação sobre se e para quem foram transferidos para eventual reutilização.

Também não há definição oficial sobre o perímetro da origem do óleo, claramente identificado nos estudos sobre correntes marítimas e cujas coordenadas não essenciais para a apuração do tráfego de navios nesta região, combinado com o tempo de permanência do óleo no mar, o que também pode ser determinado por testes de laboratório.

Temos gente e instalações absolutamente capazes de dar conta destas missões. Há softwares desenvolvidos aqui – podem ir ver lá na UFRJ, por exemplo – e modelos matemáticos da melhor qualidade para determinar trajetórias e velocidades marinhas.

Como teríamos condições de estabelecer uma vigilância costeira que antecipasse o recolhimento do óleo que está dando à praia. Mesmo que sua densidade faça ele flutuar a meia água, um pouco abaixo da superfície, perto da costa ele se torna mais visível e pode ser coletado com mais facilidade e menos danos, se as praias forem vigiadas.

Marinha, Exército e Aeronáutica têm, somadas, mais de 100 helicópteros leves , padrão Esquilo, e um quatro deles dariam conta de patrulhar toda a costa atingida detectando a aproximação de manchas.

Impedir que se grudem a afloramentos rochosos nas praias, adiram a manguezais ou que entrem pela foz dos rios e canais de lagoas é extremamente importante para mitigar os efeitos.

Tudo isso deveria ser obra de uma coordenação federal, com responsáveis claramente identificados e que, em cada trecho da costa, fosse capaz de ter comando, organizar pessoas e meios e de deslocar pessoal e equipamentos de retenção.

Mas no país que encheu de militares o governo civil, por incrível que pareça, falta comando e arrojo.

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on whatsapp
WhatsApp
Share on email
Email

18 respostas

  1. Além do mais da nossa expertise para desvendar algumas informações fundamentais para descobrir a origem , se ” amigos da Venezuela , poderíamos contar compreciosas informações vinda de lá . Se os petroleiros de qualquer bandeira ou sem bandeira estiveram nas suas costas , com transferência ou não da carga . O país em estado de alerta pelas ameaças americanas suas fronteiras marítimas estão vigiadas . Eles ainda podem ajudar .

  2. o descaso com que o governo bozo lida com esse evento é chocante. deveria ser motivo pra queda de ministro

    1. Quanto ao comando e arrojo a que se refere o Brito, no final, só pode ele se referir ao comando e arrojo com que esses trastes covardes, ignorantes e traidores da pátria brasileira sempre usaram contra estudantes, trabalhadores e pessoas que ousaram pensar um país melhor e mais justo, inclusive, para os descendentes desses canalhas, boçais e iletrados. Não adianta, Brito, a coragem dessa gente é a de chutar alguém ferido no chão, é a de arrastar uma mulher nua e indefesa pelos corredores do DOPS para ser torturada e estuprada, é a de espancar um homem algemado e preso a uma cadeira. Claro, tem toda a valentia demonstrada no Haiti, torturando, espancando, violando e matando a quem foram “proteger”, sem serem, até hoje, admoestados pela ONU, o puxadinho dos seus amados gringos. Não se espere nada dali, pois, nada virá.

  3. Que falta de sorte! Tem que avisar à fábrica de marmelada lá nos subterrâneos da Virgínia que o plano num deu certo…

  4. Tsc… nem a versão da “facada da esquerda” teve fim… vão por ponto final em petróleo da Venezuela?!

    1. Exatamente. Bolsonaro voltou a postar sobre isso ontem a noite. Eles vivem e precisam se auto-alimentar de noticias falsas para incitar a matilha.

  5. Se este papo de que o óleo foi derramado pela Venezuela constituía a parte política de um atentado, fracassou redondamente. Seria uma prova do quanto subestimam a inteligência do país e sua capacidade de diagnosticar desastres ambientais. O petróleo veio do meio do Atlântico? Veio, sim. Veio de algum lugar entre a África e o Brasil? Veio sim. E qual é o lugar que fica no meio do Atlântico e entre a África e o Brasil? Resposta: A ilha de Ascensão, uma possessão britânica onde há bases militares altamente estratégicas, parada obrigatória nas rotas para outras ilhas inglesas no Atlântico Sul. Ela fica a apenas 2500 quilômetros de Recife. Esta seria a primeira suspeita a ser investigada. Um acidente em suas imediações traria o óleo diretamente para o Nordeste. As autoridades marítimas e diplomáticas brasileiras pelo menos consultaram as autoridades daquela Ilha sobre o assunto?

  6. Se por acaso fosse o Haddad veriamos os deputados federais e estaduais dos estados do nordeste subindo a rampa p falar com o presidente.

    Quem dera isso virasse questao do Enem. Mas nao da mais tempo. Uma pena.

  7. Se este papo de que o óleo foi derramado pela Venezuela constituía a parte política de um atentado, fracassou redondamente. Seria uma prova do quanto subestimam a inteligência do país e sua capacidade de diagnosticar desastres ambientais. O petróleo veio do meio do Atlântico? Veio, sim. Veio de algum lugar entre a África e o Brasil? Veio sim. E qual é o lugar que fica no meio do Atlântico e entre a África e o Brasil? Resposta: A ilha de Ascensão, uma possessão britânica onde há bases militares altamente estratégicas, parada obrigatória nas rotas para outras ilhas inglesas no Atlântico Sul. Ela fica a apenas 2500 quilômetros de Recife. Esta seria a primeira suspeita a ser investigada. Um acidente em suas imediações traria o óleo diretamente para o Nordeste. As autoridades marítimas e diplomáticas brasileiras pelo menos consultaram as autoridades daquela Ilha sobre o assunto?

    1. “””As autoridades marítimas e diplomáticas brasileiras pelo menos consultaram as autoridades daquela Ilha sobre o assunto?”””…eles estão se fazendo de tontos…mas no fundo, eles sabem quem foi…

  8. Não adianta nada o almirante afirmar que a Venezuela não é responsável. O debilóide do Ernesto Araújo, o Bolsonaro e filhos vão continuar repetindo que foi a Venezuela e ponto final.

  9. q o militar tire sua força e o seu chefe, o Minto da letargia pq 200 anos é muito tempo.. eu por exemplo não devo durar nem mais 30 anos e não posso esperar tanto tempo como o oficial q deve deter o secreto da eterna juventude pelo visto, já q não tem pressa… Aqueles barris q chegaram às praias deveriam dar algum indicativo mas parece q os investigadores sçao aqueles mesmo ‘operacionais operantes’ que investigam a morte da Marielle… a velocidade de bicho preguiça é idêntica

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *