China faz retaliação ‘qsp’ e descredencia consulado dos EUA

A China mostrou duas disposições ao determinar o fechamento do consulado dos EUA em Chengdu, na província de Sichuan, em retaliação ao fechamento de sua representação em Houston, Texas, determinada por Donald Trump.

A primeira, a de que vai responder, no mesmo diapasão, à agressividade pré-eleitoral de um presidente norte-americano desesperado pela reeleição.

A segunda é que, apesar disso, não irá além do estritamente necessário para demonstrar que não vai se intimidar. Respostas serão, como nas formulação dos remédios, quantum satis para, aquele qsp que vem na composição, para indicar quão diluído é o princípio ativo.

O jornal chinês Global Times, ligado ao governo, deixa isso claro:

Os EUA estão constantemente escalando movimentos anti-China e estão forçando a China a reagir. O lado chinês está enfrentando um dilema: pareceria fraco se não reagir, o que levará a uma série de consequências, prejudicando seriamente os interesses nacionais de longo prazo da China. No entanto, depois que medidas recíprocas são tomadas para revidar, China e EUA são empurrados para mais longe; a dissociação está se acelerando e o risco estratégico está aumentando na região Ásia-Pacífico.
Mas muitas vezes, o lado dos EUA forçou a China a fazer apenas uma escolha; isto é, deve tomar medidas recíprocas. Por exemplo, desta vez, a China deve fechar um consulado dos EUA na China. É preciso dar esse passo para salvaguardar os interesses nacionais da China e manter decisões baseadas em regras para toda a humanidade.
Queremos deixar claro que o lado chinês não tem intenção de escalar esse conflito de fechamento do consulado. Essa atitude do lado chinês é politicamente racional, não envergonhada. Ao contrário da guerra comercial, o lado dos EUA não tem vantagem nesta linha. Se os EUA continuarem a fechar os outros consulados chineses nos EUA, o lado chinês continuará com passos recíprocos, fechando o mesmo número de consulados dos EUA na China.

E dá o seu recado: ” Se a provocação dos EUA é um show feito para a eleição não faz diferença para a China.”

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on whatsapp
WhatsApp
Share on email
Email

14 respostas

  1. Temos um presidente delinquente-demente-genocida-imoral-QUE OFERECE CLOROQUINA A EMAS!!-etc-etc
    Temos um presidente da Cãmara de Deputados ,que de fato ,governa o país,pedindo ao suposto governo que acelere a entrega do seu projeto de ——reforma administrativa—–(mais uma reforma que o mercado pede ,além da tributária em discussão)senão ele aprovará a SUA reforma, E OUTROS ETC,ETC,ETC,ETC—E FUNDAMENTALMENTE ,MAIS DE 84.000 MORTOS !!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!——-
    —E NÓS ESTAMOS PREOCUPADOS COM A BRIGA DOS PODEROSOS??—-
    QUE ESTÁ ACONTECENDO???

    1. A derrota de Trump nas próximas eleições, decorrente de seus imensos erros estratégicos e táticos, terá reflexos na eleição e reeleição de pequenos ditadores dementes genocidas em todo o mundo. Incluindo o nosso desprezível miliciano em Brasília e seus seguidores, que usam o monstruoso modelo racista e xenófobo de Trump como inspiração.

  2. Trump, ao que tudo indica, é um presidente derrotado. Não deu aos seus eleitores desesperados por empregos melhores o que eles pediam. Não conseguiu fazer os chineses concederem mais do que concederiam a qualquer outro presidente, com menos atritos e menos riscos estratégicos. Montou uma campanha mundial contra as ações dos chineses no Mar do Sul da China, estratégico para os chineses, nem tanto para os americanos, e eles deram de ombros, ou, pior, aceleraram seu programa de defesa na área. Deixou comandantes da marinha americana especularem publicamente sobre um ataque “preventivo” contra a China, com milhares de mísseis disparados de navios e aviões americanos contra alvos estratégicos chineses, especialmente suas forças nucleares, a marinha e a força aérea, e a resposta foram mísseis chineses capazes de destruir um porta aviões americano (ou os cruzadores e destróieres missilísticos) além do alcance dos mísseis de ataque americanos.
    Tentou encurralar a Rússia, e o que conseguiu foi que a Europa rica, especialmente França e Alemanha, da boca para fora apoiassem seu discurso, mas fizessem cada vez mais negócios com os russos. Dias atrás os alemães deixaram muito claro que o gasoduto Nord Stream 2, que constroem em parceria com os russos, é de interesse da segurança energética alemã, e que não tolerariam punições às suas empresas por participarem de um negócio vantajoso para eles.
    Trump abriu as portas para o fim da hegemonia americana na Europa, como nenhum outro presidente seria capaz. E o fim lá significa o fim em todo o mundo, em seguida.
    Talvez nós, latino americanos, devamos por as barbas de molho, pois nas próximas décadas vai aumentar muito a pressão americana sobre nosso continente, para compensar a perda de poder e riqueza que vem pela frente, para os americanos.

  3. Considerando o ponto de vista Chinês e a história deste país, neste momento se eu pudesse dar um conselho ou dar uma sugestão de diretiva para a situação atual do governo chinês seria dê uma resposta ao OCIDENTE de força geopolítica absoluta cortando todos laços comerciais e forçando a retirada de todos os investimentos e ativos Chineses ANTES da próxima eleição nos EUA…
    MAS faça isso em relação ao Reino Unido, pela dívida histórica, pela interferência em Hong-Kong, o oferecimento de cidadania britânica a 3 milhões de Chineses de Hong-Kong e pelo banimento da Huewei do 5G britânico.
    A China tem contas históricas muito mais antigas com o ex-Império Britânico que remontam ao passado das Guerras do Ópio e sua participação atual na economia de um Reino Unido decadente é significativa num momento econômico tenso de saída da União Européia.
    Neste momento não há alvo mais próximo dos EUA e mais fragilizado onde a China possa dar um golpe tão DEVASTADOR e sem entrar em confronto direto com os EUA e sem beneficiar diretamente eleitoralmente D.J. Trump.
    DEPOIS se Joe Biden vencer, a China renegociará a normalização das relações com EUA-UK em termos racionais normais.
    Se D.J.Trump se re-eleger o conflito econômico (ou pior) direto com os EUA será praticamente inevitável…

  4. A China vai retaliar para que ninguém pense que eles não têm dignidade. Porém, a retaliação será de forma moderada porque a China sabe que Trump vai perder a eleição.

  5. O inacreditável Mike Pompeo está a implorar a todo o “mundo livre” que se una contra o avanço da China Comunista. Diz ele que há espiões chineses por toda parte nos EUA. Não falta quase nada para que ele diga que ninguém compre produtos chineses, porque eles estão contaminados com fluidos corpóreos de comunismo. Já quase não há diferença entre ele e o General Ripper do filme Doutor Fantástico, que botou na cabeça que os russos haviam colocado fluidos em todos os depósitos de água dos Estados Unidos, para transformar todos em comunistas. Ele fechou as comunicações de uma base aérea e enviou dezenas de aviões com bombas nucleares para jogar sobre a Rússia. Depois disso claro que o mundo acabou, ao som de uma linda canção de Connie Francis.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.