A cloroquina da política

Não há nenhuma surpresa no que disse ontem o senador Major Olímpio a Natuza Nery, na Globonews (veja aqui), relatando que o governo estaria oferecendo “cotas” de R$ 30 milhões para alguns senadores indicarem os municípios para os quais queriam repasses generosos da verba destinada ao combate à Covid-19.

Afinal, se a cloroquina está descartada como cura para o vírus, dinheiro público sempre produz efeitos na redução dos sintomas de fragilidade do governo. Resta saber se entre os ínclitos senadores haverá quem peça que Olímpio seja chamado à Comissão de Ética para esclarecer como e com quem se deu esta vergonhosa manipulação de verbas da saúde.

Aliás, os diversos ministros da Saúde de Bolsonaro conseguem, nesta área, o “milagre” de não gastar – apenas 12% do total disponível ações próprias do MS foram gastos – e ao mesmo tempo desperdiçar. Pois a Folha traz a informação de que, enquanto faltam sedativos para os pacientes que necessitam de intubação, há um “encalhe” de 4 milhões de does de hidroxicloroquina, que certamente irá aumentar com os estudos que apontam sua inadequação se repetindo.

Enquanto isso, vamos “progredindo” rapidamente em casos e mortes pela doença e logo no início de agosto estaremos rompendo a marca de 100 mil vidas perdidas.

E dai?

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on whatsapp
WhatsApp
Share on email
Email

10 respostas

  1. Enquanto isso, a tentativa de Flávio Dino de articular uma frente ampla pra derrotar Bolsonaro é boicotada pelos hegemonistas de sempre. E muito difícil essa tarefa do Flávio Dino: reunir forças para combater o inimigo e, ao mesmo tempo, ter de enfrentar adversários que se comportam como inimigos. E assim continuamos observando a destruição do Brasil. E daí, né ?

    1. Frente com FHC,Ciro,Huk e Amoedo apoiadores de golpe em Dilma e prisão de LULA?Bicho o PT ouve a militância e a militância tem vergonha na cara
      Decepção maior é o apoio de Soros a Dino.

      1. Ciro apoiador do golpe contra Dilma ?
        Lula ouviu a militância pernambucana quando usou Marilia Arraes como moeda de troca ?
        Eduardo Cunha, Temer, Cabral etc caterva são aliados que não envergonham a militância ?

      2. Esse dino com a fome de “puder” que ele tem, está topando qualquer parada, tenho vergonha por ver uma pessoa que estudou, fez juramento, proceder num nível tão baixo. Ajuda do “Soros”? Não existe almoço grátis. Já negociou alguma… E os 80% da Amazônia devastada no Maranhão? Como ficamos? Tem muitos caindo na conversa dele, como sempre, gostam de ser enganados. “Em tempo de Pandemia consulte um bom médico, em tempo de eleição, um bom e honesto professor de história. Não quem est´s buscando a mídia.

    2. Imaginar que, sem que haja nenhuma outra ditadura formalmente implantada no país, que se possa pensar, como se especula hoje em O Globo sobre o simpático governador Flávio Dino, que a forma correta de enfrentar Jair Bolsonaro seja a formação de um “MDB de esquerda” é um retrocesso que não só resultará em fiasco quanto será um desserviço ao povo brasileiro.

      Afinal, o que se pretenderia ali, pelo leque de interlocutores proposto – de Luciano Huck a Marcelo Freixo – seria mesmo a tal “geléia geral” que aqui já se analisou e que, é evidente, só funciona para “zerar” a responsabilidade de setores conservadores ou pretendentes à condição de centro-esquerda tiveram na eleição do atual presidente.

      Pior, é uma articulação que só existe porque aceita e se beneficia – embora nem sempre o diga – da grande anomalia da vida política brasileira: a exclusão do mais popular presidente da história recente do país, Lula.-Fernando Brito-

    3. Bom, sem querer ser chato, mas já sendo: Essa luta aí não é a realidade em São Paulo, então.
      Levando em consideração que há uma tremenda mobilização de militantes e intelectuais da esquerda, para a união de todos em torno da candidatura de Boulos (o mais competitivo, objetivamente), o PCdoB (partido de Dino) ainda assim vai lançar a candidatura própria de Orlando Silva.
      Portanto, sim. O hegemonismo da esquerda é um problema sério, nas atuais circunstâncias, porque os partidos ainda estão pensando na maneira tradicional, das eleições municipais: Meu candidato para o Executivo, arrasta a bancada ao legislativo. E aí entram os receios com a cláusula de barreira e etc.
      Enfim, todos pensando em si e em seus projetos. Incluindo a direção do partido de Dino, e talvez, ele mesmo.

    1. O mais lastimável é que o Paraná Pesquisas publicou uma pesquisa hoje em que a aprovação de Bolsonaro subiu e a rejeição caiu, além de que, ele ganharia a eleição presidencial de qualquer adversário no segundo turno.

      Sei que a credibilidade da pesquisa é relativa, mas não deixa de ser um indicativo.

  2. Maia e Alcolumbre são responsáveis diretos pelo genocídio, sócios da corrupção e comparsas dos militares que estão no governo.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *