A contabilidade de uma incompetência

O relatório do Tribunal de Contas da União, reproduzido hoje pela Folha, mostrando que se gastou apenas R$ 11,4 dos 38,9 bilhões aprovados, emergencialmente, para o combate da pandemia do Covid-19 é grave em qualquer circunstância, num país que em 15 dias vai atingir a macabra marca de 100 mil mortos pelo coronavírus.

Embora já seja escandaloso que estados e municípios só tenha recebido perto de 40% do valor previsto, sempre é possível invocar a argumentação burocrática que poderia estar atrasando repasses para encobrir a vergonhosa manobra de colocar estes recursos na conta do acordo de cumplicidade do “centrão” ao governo.

Mas o fato de que tenham sido gastos menos de 12% da verba destinada a ações de exclusiva responsabilidade do Governo Federal – R$ 1,3 bilhão de R$ 11,4 bilhões – é revelador da completa incapacidade da administração Bolsonaro de agir decididamente no enfrentamento ao novo coronavírus, à exceção, claro, do charlatanismo da cloroquina.

Era deste dinheiro que se deveria ter adquirido equipamentos para a montagem de leitos de Terapia Intensiva – os famosos respiradores e outros aparelhos -, medicamentos necessários para sedação, oxigênio e até equipamentos de proteção individual, tanto para servir a locais onde não se pudesse fazer a compra local quanto para ter um estoque para evitar sua carência em situações de emergência. Além disso, bancar pesquisas epidemiológicas – como a Epicovid, desenvolvida pela Universidade Federal de Pelotas a interrompida abruptamente por falta de verbas – e laboratoriais.

Também, como na maioria dos países, estes recursos eram os que sustentariam a compra de testes que permitissem mapear e cuidar da doença, em lugar de termos a vergonhosa marca de apenas 23 testes por mil habitantes, índice de cinco a dez vezes maior que o das nações que têm forte incidência do novo coronavírus.

É daí, também, que se deveriam ter sido sustentadas campanhas de esclarecimento em massa sobre a necessidade do isolamento social e das medidas preventivas que eram e continuam sendo a única forma de prevenção contra a infecção pelo vírus.

É o retrato de uma incompetência que se iniciou na gestão Mandetta, virou paralisia com Nélson Teich e arrogância e indiferença com o general Eduardo Pazuello.

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on whatsapp
WhatsApp
Share on email
Email

3 respostas

  1. Os bancos ganharam 1,2 trilhão, ou 100 vezes mais que essa miséria de 11 bilhões… Mas, E DAÍ?

  2. E voces acham que é só por incompetência que o dinheiro não foi distribuído?
    Isso é intencional. Eles acham que todo mundo precisa contaminar-se e alcançar imunidade de rebanho, conmo abertamente defendeu o presidente do Banco do Brasil (Rubens Novaes). Falando em imunidade de rebanho, todas as evidências disponíveis sugerem que não é possível alcançar este estágio – alguns resultados mostram que pessoas curadas não desenvolveram anticorpos (especialmente entre os assintomáticos) e outras evidências sugerem que a produção de anticorpos vai-se esgotando em pouco tempo.
    São genocidas – esta é a razão de não usarem o dinheiro, pois querem que os “fracos” sejam eliminados.

  3. Fernando, preciso dizer que a responsividade do blog está muito ruim. Eu uso o celular. Quando vou comentar preciso configurar o navegador para funcionar como se fosse um desktop. Sai às letras ficam minúsculas. Preciso fazer malabarismo pra comentar. Agora fui comentar o artigo sobre a perda do controle com 68 mil infectados diários do texto simplesmente desapareçe.

    Se puder verificar..

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *