China investe para aumentar produção de soja…na Argentina

Quem planta, colhe. Inclusive discórdia.

Sexta-feira passada o presidente da Argentina, Alberto Fernández, foi pessoalmente à festa de 20 anos da empresa Syngenta, formada em 2000 por duas gigantes de produtos químicos para a agricultura: a anglo-sueca Astrazênica (a mesma da vacina comprada pelo Brasil) e a suíça Novartis.

Só que a Syngenta não é mais suíça, como antes, nem sueca, nem inglesa.

É chinesa, porque foi comprada há três anos pela estatal chinesa ChemChina, que tem negócios no petróleo, na petroquímica e, com a aquisição, é uma das maiores produtoras de insumos agrícolas e sementes.

É dirigida por Ning Gaoning, conhecido no meio empresaria como Frank Ning que sempre teve posições dirigentes nos órgãos encarregados no suprimento de grãos do país e é membro do principal órgão anticorrupção do Partido Comunista Chinês.

Fernández foi comemorar um acordo entre a Sygenta argentina e a Sinograin – empresa responsável pela administração da reserva de grãos (e seus derivados) da China. Pelo entendimento, a Sygenta vai investir na melhoria das plantações de soja da Argentina e cuidar de sua exportação.

O caminho será o de operações Barter (“troca”, em inglês), no qual o pagamento pelo insumo (fertilizantes, pesticidas e sementes) se faz através da entrega do grão colhido, sem a intermediação em dinheiro, mas funcionando como um financiamento de safra.

O resultado será que a Argentina aumentará de três para quatro milhões de toneladas o volume de suas exportações de soja para a Sinograin em 2021. Claro que é muito pouco em relação ao Brasil ,mas é sinal que os chineses estão de olhos bem aberos para o nosso vizinho que os trata bem.

Porque aqui ele compram muito, pagam bem, mas levam de graça desaforos da família presidencial.

 

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on whatsapp
WhatsApp
Share on email
Email

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *